Biscoito de Chocolate e Limão

A primeira receita pós-viagem. Como o mundo é engraçado, não é? Fiz essa receita para reproduzir uns biscoitos que comi no Santo Grão de São Paulo, mas no final, só consegui fazer a versão gostosa e correta de uns cookies que fiz há quase 01 ano atrás!
Era para ser biscoitinho de chocolate com limão… alias, é isso! Mas os biscoitos não ficaram parecidos com o que eu esperava, mas confesso que ficaram uma delícia, super crocante, de sabor suave e caseiro!
Receita simples mas trabalhosa, recomendo dedicar uma tarde livre!


Ingredientes:

– 02 xícaras de farinha de trigo.
– 01 e ½ xíc. de Aveia (flocos finos)
– 01 xíc. De Chocolate em pó.
– 01 xíc. De Açúcar (fino)
– 02 ovos.
– 100g de manteiga.
– 01 colher (chá) de fermento
– 01 limão (raspas da casca e todo o sumo)

Modo de preparo:
Misture todos os ingredientes, faça bolinhas como pequenos brigadeiros e amasse fazendo pequenos discos na fôrma. Deixe em forno mínimo (cerca de 120-150°C) por cerca de 1 hora.

Dicas:
– Unte a fôrma com óleo, apenas um fio basta.
– Faça biscoitos finos e pequenos, porque eles são bons quando bem durinhos e crocantes
– Se alguém quiser teste com 02 limões, porque 01 limão apenas SOME depois de assado (apesar de se destacar enquanto a massa está crua)
– A receita rende uns 100 biscoitos médios, talvez precise de duas ou três fornadas (lembra que eu falei de usar a tarde toda?)
– Pode até fazer biscoitos menores e vender, essa receita custa uns R$ 6,00 aproximadamente e rende até 250 biscoitinhos pequenos (para cafés). Uma boa embalagem e valor agregado, o cara consegue 300% sobre isso sem bronca.

Anúncios

Viagem Gastronômica a São Paulo.

Parafraseando nosso Presidente, “acho que nunca antes na história desse blog, fiquei tanto tempo sem postar”. Peço que entendam, andei com planos engatilhados que infelizmente não se concretizaram, além disso, surgiu uma viagem maravilhosa a São Paulo para visitar amigos, uma fazenda de café e uma feira para donos de bares e restaurantes. É exatamente sobre essa viagem e suas comidas que falarei. Não pude fotografar todos os pratos que comi, mas fotografei alguns cafés e lugares legais para se conhecer.

Essa primeira foto abaixo é de um café Sul de Minas, no Santo Grão da Oscar Freire, junto com ele foi servido esse biscoitinho de chocolate e limão (tentarei reproduzi-lo). Esse lugar é maravilhoso, os atendentes, os clientes e claro, a localização privilegiada. Dica: provem o brownie.

Aqui temos outro café, um Suplicy torra média coado, junto dele um marzipan de goiabada. O Suplicy é muito bom também, mas tem uma proposta diferente do Santo Grão, é de ambiente e atendimento mais simples, apesar do endereço chique e dos preços altos. Vale à pena conhecer, fica em frente ao Mercado Santa Luzia, onde se acha tudo de mais gostoso (e exclusivo) na cidade.

Esse lugar bonito e amadeirado logo abaixo é o Café Octávio, famoso por seu tamanho, arquitetura excêntrica e por abrigar uma “universidade do café”. Vale à pena visitar também, fiz até um vídeo no lugar, pois existe um corredor onde está escrito a história do café no chão e vai acendendo conforme andamos. Dica: O brulée de erva cidreira não vale a pena.


Esse lugar bacana onde está nossa amiga Helô é o bairro da Liberdade, fica no centro de São Paulo, abriga a maior comunidade asiática do Brasil, é fascinante ver as placas em letras japonesas e as dezenas de mercadinhos, onde encontramos coisas de todos os tipos, desde cogumelos frescos por R$ 2,00 a bandeja, até bugigangas chinesas.

Não fiquei apenas em Sampa, fui para Minas Gerais, mais especificamente em Poços de Caldas. Cheguei na cidade às 2 da manhã, a temperatura era de 3 °C. Estava com Jonathan e mortos de fome, vimos uma barraca metálica cheia de gente onde faziam sanduíches enormes, custavam de R$ 10,00 a R$ 16,00, davam para duas ou três pessoas. Dividimos um desses grandões, segue a foto de MEIO SANDUÍCHE, comparem com o tamanho da lata de coca-cola.

Na manhã seguinte rumamos para uma fazenda de café, no caminho tirei foto de diferentes grãos, como o Bourbon vermelho e Bourbon amarelo.


Aqui temos fotos do café secando, em diferentes fases.

A região era maravilhosa, cheia de plantações de café e infelizmente, dividindo espaço com plantações de eucalipto. Mas continuava linda, com um ar gostoso de respirar, cheiro de café tostado das inúmeras fabriquetas socialmente corretas na região.

No último dia de viagem fui até a Reserva Cultural, um espaço com café, cinema e bistrô, lá comi um ratatouille divino! Recomendo esse lugar, fica na avenida paulista, entre as estações do MASP-Trianon e Brigadeiro, logo abaixo da Gazeta.

Bom, foi isso, uma semana de correria, abraços, comidas, metrô, passeios, paisagens e amizade. Recomendo para todo brasileiro que mora longe de SP, visitar essa capital anualmente. Um lugar onde existem lugares de todos os tipos, para todos os bolsos e tribos, vale a pena ser visitado sempre que surge a oportunidade.

Ps. Fico devendo uma receita, mas ao menos coloquei minha cara pela primeira vez no Blog.