Bolo de Coco

Esses dias me deu vontade de comer bolo de coco, não sei exatamente o porquê de surgir essa vontade, mas ela surgiu e eu tive que sacia-la, porra! ora bolas! Pela primeira vez eu fiz um bolo e recheei por dentro, nunca tive colhões equipamentos necessários para tal operação, mas com criatividade, coragem, um fio dental, 03 espátulas e ajuda da minha mãe, eu consegui fazer esse difícil serviço de McGyver confeiteiro! É o tipo de coisa tão boa, que pode ser comida quente, fria, gelada e de qualquer maneira que quiser, amanhã levarei ao escritório, espero que aprovem!

Imagem10

bolo de coco 02

Ingredientes (bolo):

03 xícaras de farinha trigo.

02 xícaras de açúcar.

½ xícara de leite.

½ xícara de leite de coco (grosso).

03 ovos (separar gema e clara em neve).

02 colheres de sopa (generosas) de manteiga.

01 colher de sopa (generosa) de fermento.

01 colher de chá de essência de baunilha.

Ingredientes (recheio):

01 lata de leite condensado.

01 caixinha de creme de leite.

01 pacotinho de coco queimado ralado (desaconselho usar a versão seca).

Ingredientes (caldo para umedecer):

½ xícara de leite de coco.

½ xícara de leite convencional.

Modo de preparo:

Bata bem todos os ingredientes do bolo (menos o fermento e as claras em neve). Adicione o fermento e as claras em neve por último, mexendo com cuidado. Leve ao forno com 180-200 °C pré-aquecido por 40-60 minutos (até dourar) Tanto o recheio como o caldo só precisam ter seus ingredientes misturados. Usando sua técnica improvisada, corte o bolo ao meio, despeje com cuidado metade do caldo e depois coloque metade (ou 1/3) do recheio. Cubra com a outra parte, faça centenas de furos com o garfo e repita a operação, despejando o caldo e cobrindo com o recheio (que agora virou cobertura, né?).

Dicas:

– Se for comer quente ou em temperatura ambiente, a receita está perfeita. Mas se for comê-lo gelado, dobre a quantidade de leite e leite de coco para umidecer, porque a massa tende a ficar seca dentro da geladeira.

Cookies

Yes, nós temos cookies!!! Aqueles biscoitinhos estadunidenses, feitos de várias maneiras, com frutas, aveia, chocolate, pedra, amêndoas, etc etc etc…

Não fiz nenhuma receita nesse final de semana porque estava saindo igual a um louco, só pisava em casa para dormir e tomar banho. Mas agora vocês terão o prazer de conhecer uma receita simples, fácil e deliciosa!

Pesquisei mais de 50 receitas e achei essa a mais interessante, vi no blog http://carinaschirrmann.wordpress.com/ . (fiz pequenas mudanças)

Para todo gordo, preguiçoso, solteiro, criança, guloso e/ou burro, como eu, eis aqui a  facílima receita de ter cheiro de McDonalds em sua casa! (sim, a casa fica com aquele cheirinho de McDonalds)

cookies

Ingredientes:

02 xícara de aveia (flocos finos)
01 xícara açúcar mascavo
01 xícara farinha trigo
120g de manteiga com sal.

01 colher de sopa de fermento

01ccolher chá de essência de baunilha.
02 ovos inteiros
80g de Chocolate meio-amargo picado.

Modo de Preparo:

Misture todos os ingredientes (menos o chocolate) e trabalhe a massa até ficar homogênea. Faça bolinhas e acrescente o chocolate(pode ser por cima ou misturar).

Coloque numa assadeira untada só com manteiga(minha assadeira grande deu três fornadinhas). Leve para assar em forno médio aquecido por aproximadamente 15minutos. Coloque-os bem separados, porque crescem e se espalham.

Dicas:

-Quando quente ele fica fofo demais, espere esfriar para comer.

-Cuidado para não queimar os dedos, chocolate no forno fica muito quente! (não se iluda, ele está quadrado mas fez uma bolha em meu dedo)

-Você pode dobrar a quantidade de chocolate e mistura-lo a massa (eu apenas coloquei por cima), minha versão ficou gostosa, mas acho que ficaria melhor se fosse mais fina e com “surpresinha” de chocolate dentro.

Bolo de Fubá

Há alguns anos eu estava com duas amigas da faculdade falando o quanto é bom passar tardes chuvosas em casas, vendo televisão e comendo guloseimas. Uma delas sugeriu comer bolo de fubá com café e falou sobre uma receita que tinha visto no programa da Ana Maria Brega Braga. No mesmo dia pesquisei na internet várias receitas de bolo e testei, foi um sucesso e a cada vez que fazia esse bolo ele ficava melhor!

É uma receita demorada, são duas fases, mas não tem mistério.

bolo de fuba

Ingredientes:

1° fase
– 2 ½ xícaras de fubá fino
– 1 ½ xícaras de açúcar
– 500ml de leite
– 100 ml de óleo

– 01 colher de chá de erva doce

2° fase
– 04 ovos
– 01 colher de fermento (bem generosa)
– 01 colher manteiga com sal (bem generosa)

Modo de preparo:
1° fase
Numa panela coloque fubá, açúcar, leite, óleo e erva-doce. Cozinhe em fogo baixo até soltar do fundo e “respirar” (formar grandes bolhas de vapor), mexendo sempre. Desligue e deixe esfriar. (fica parecendo uma polenta)
2° fase
Depois de esfriar (algumas horas), misture as 04 gemas, manteiga e o fermento. Com o auxílio de uma colher de pau, incorpore levemente as 04 claras batidas em neve. Transfira a mistura para uma assadeira untada. Ligue o forno somente nesta hora e asse em fogo médio-baixo (200°-180°) até ficar marrom chocolate por cima

Dicas:

– NUNCA use fubá em flocos.

– IMPORTANTE: Para mexer na panela durante a 1° fase da receita, use a batedeira, porque com certeza vai empelotar. Igual a história do fubá que fiz semana passada.

– Ele fica delicioso quente, mas parecerá sem açúcar. Fica bem mais doce quando esfria.

– Não abra o forno antes de 45 minutos, o bolo fica uma merda solado.

Published in: on 23/07/2009 at 12:47  Comments (4)  

Cuscuz

O que falar sobre essa simples, rústica e deliciosa iguaria? Assim como a polenta, ela teve uma origem mediterrânea, no norte da África (o nome couscous é universal e de origem francesa). Consiste basicamente em sêmola de qualquer cereal (trigo, mandioca, milho, etc) cozido no vapor ou embebido em água ou leite, formando uma farofa extremamente úmida (molhada em alguns casos).

Consumido em todo o mundo ocidental e parte do oriental (principalmente pelos árabes e indianos), de maneiras bem diferentes entre cada lugar. No Brasil temos duas versões, uma feita no sudeste, que consiste de farinha de milho úmida e bem temperada, socada em uma fôrma, com tomate, salsa, cebola, pimentão, milho, ervilha e peixe (ou frango).

Já a versão feita no nordeste é bem diferente, consiste em fubá de milho flocado (duro e cru), cozido no vapor em uma cuscuzeira (panela específica para isso), apenas com água e sal. Pode ser comido com manteiga, queijo, molhos (tomate, carne, peixe, frango, salsicha), ovo ou tudo isso junto, substituindo o pão. Existe ainda no nordeste uma versão doce, onde ele é cozido sem sal e com leite, posteriormente é embebido em leite de coco ou leite de vaca, com açúcar, queijo ou manteiga (existindo variações regionais e familiares).

Vou apresentar a versão nordestina simples, escolhi assim porque pretendo fazer uma série de receitas cotidianas, comida como arroz, feijão, macarrão, bife, etc., que 99% das pessoas comem e 99% não sabem preparar. São receitas básicas e nem sempre são fáceis de fazer, porque existem várias dicas que foram construídas com anos (ou séculos) de prática.e são essenciais para a produção de um prato “perfeito” .(Sim, nós buscamos a perfeição!)

PS. Agradeço a minha ex-sogra, Dona Socorro, por me ensinar a gostar de comer e os preceitos básicos para a preparação desse prato.

cuscuz

cuscuz com manteiga queijo ovo molho

Ingredientes:

02 dois copos de fubá flocado.

01 copo de água mineral (temperatura ambiente ou fria)

Sal a gosto.

Preparo:

Em uma tigela misture os ingredientes, deixe descansar por meia hora, mexendo com uma faca a cada 10min (para aerar). Coloque água na cuscuzeira, a tela e depois o cuscuz, tampe e deixe cozinhar em fogo alto, até ferver(05 min), depois abaixe o fogo (médio ou baixo), deixando cozinhar por 20-35 minutos (após ferver).

Dicas:

– A proporção é sempre 02 de cuscuz e 01 de água, podendo ser até 20% menos água para deixa-lo mais seco (base para uma farofa de cuscuz) ou até 20% mais água, para deixa-lo mais ligado, parecido com uma massa (confesso que prefiro assim).

– Assim que misturar os ingredientes na proporção correta, ficará uma aguazinha no fundo. Com o tempo, verifique que o barulho ao mexer com a faca será menos áspero, a água do fundo sumirá e a mistura estará maior, fofa e de cor levemente mais clara e viva.

– Ao colocar o cuscuz na cuscuzeira, observe o nível da água (geralmente é de 50%-60% e sempre tem uma linha padrão dos outros cozimentos), se for muita água, molha e estraga o cuscuz, se for pouca, ela seca e queima a comida. Cuidado com as paredes internas, devem estar secas ou o cuscuz gruda. NUNCA soque ele, coloque normalmente e dê uma leve apertadinha nas laterais, para não desmontar quando retirá-lo.

– Cuscuz é forte e engorda pra cacete nutritivo, sendo melhor (segura mais a fome) que pão no café da manhã ou da tarde, se quiserem postarei a receita do molho vermelho de salsicha.

Bolinho de Chuva

Quem não gosta de bolinhos de chuva? Só aqueles que não conhecem, claro! E para esses ingênuos cidadãos vou explicar o que são esses tais “bolinhos de chuva”. É uma espécie de sonho (sim, aquele calórico recheado da padaria), mas com uma massa mais pesada, de tamanho menor, podendo ter recheio ou não, feito com poucos ingredientes que qualquer um tem na despensa de casa. Por isso esse nome, ele é ideal para tardes chuvosas de feriados monótonos e geralmente é feito pela vovó para aquietar os netos endiabrados hiperativos.

Coloquei essa receita porque tive uma tarde monótona (feriado, dia da padroeira de Recife), meus dois melhores amigos ficaram doentes, as gatinhas da cidade não quiseram me ver sumiram e eu fiquei com cara de bunda tacho, em casa, sozinho e olhando para o teto.

Ao menos fiz isso agora à noite. =)

bolinhodechuva

Ingredientes:

– 01 xícara de farinha de trigo

– 01 xícara de amido de milho (maisena)

– 1/2 xícara de leite integral

– 02 ovos

– 04 colheres de açúcar

– 01 colher (generosa) de sopa de fermento em pó

– 01 pitadinha de noz moscada.

Modo de Preparo:

– Misture todos os ingredientes com a batedeira, frite em 03 dedos de óleo quente (recomendo frigideira pequena), seque rapidamente no papel toalha e deixe os bichinhos rolarem sobre uma mistura de açúcar e canela (proporção de 3 de açúcar para 1 de canela). Essa receita rende bolinhos para umas três pessoas.

Dicas:

– A massa será mole, use uma colher de sopa para pegar e “pingar” no óleo. (e um pegador para virá-los, caso necessário)

– O óleo não pode estar muitoooo quente (queima e fica cru por dentro) e nem frio (encharca de gordura).

– Ao contrário de outras comidas, os bolinhos podem ser comidos até dois dias depois. (mas eles são infinitamente mais gostosos na hora)

-Se for recheá-los, recomendo que frite e depois abra para preencher, como um pequeno sonho. (a massa crua é mole demais, difícil de rechear algo assim)

– Para variar, vai bem com café.

Published in: on 17/07/2009 at 00:13  Comments (6)  

Torta de Maçã

Também conhecida como Apple Pie ou American Pie, essa é uma comida que sempre me despertou interesse, desde minha infância assistindo “Pica-pau” e “Tom & Jerry”, passando por minha pré-adolescência no filme “American Pie” e sua torta de maçã estuprada deturpada. Mas mesmo com essa história-de-vida, só fui prová-la depois de velho, há poucos anos, acho que antes de 2004 eu era medroso para comidas diferentes.

Há duas semanas atrás me deu um desejo e eu fui à melhor tortaria da cidade, a Dalena, onde tudo é mais-gostoso-que-em-outros-lugares. Infelizmente decepcionei-me, primeiro porque a torta de maçã de lá é servida congelada (esperava uma torta quente) e segundo porque a massa estava com gostinho de plástico (argh!). Desde então planejo fazer esse prato que sempre comi comprado na rua.

Esta é a minha primeira torta de maçã, está bem feia rústica, mas ficou gostosa! (G-A-R-A-N-T-O!)

PS. Agradeço à minha mãe, que descascou as maçãs e ao Emmanuel, que colocou marca d´água e me ajudou a escolher a foto.

apple pie

INGREDIENTES:
Para a Massa:
-1 1/2 xícaras de farinha de trigo (mais ou menos)
-1/2 xícara de açúcar
-120g de margarina com sal (meio potinho)

-1 ovo

-1 colherinha de chá de essência de baunilha.

Para o recheio:
– 4 a 6 maçãs descascadas e fatiadas.
– Suco de um limão (ou uma laranja)
-Um colher de sobremesa de canela em pó
– 3/4 de xícara de açúcar mascavo
– Duas colheres de sopa de farinha de trigo
– Uma pitada de noz moscada

MODO DE PREPARO:
Massa:
Numa tigela, misture os ingredientes secos (farinha e açúcar). Adicione a margarina e misture ate formar migalhas.Adicione um ovo e a baunilha e amasse bem até formar uma massa homogênea(pode ser na batedeira). Se a massa ficar mole, junte mais farinha ate formar uma bola compacta, homogênea e macia.
Nas receitas da internet e da televisão, o cidadão faz duas bolas, a maior vira um disco grande que será a base e a menor um disco pequeno, para o forro… Pois ESQUEÇA ISSO!

No meu caso, ela ficou quebradiça e difícil de trabalhar, fiz bolinhas de golfe e posteriormente disquinhos com o rolo, preenchendo o fundo e as laterais da fôrma untada como um quebra-cabeças, com o que sobrou fiz tirinhas e cobri como pude a torta (sim, eu sou um amador!).

Recheio:
Enquanto corta e descasca as maçãs, jogue o suco de limão(ou laranja) por cima e misture bem. Isso evitará que as maçãs escureçam.
Junte os demais ingredientes, misture muito bem e despeje sobre a massa na forma.

Finalização:
Se você conseguir abrir a massa com o rolo e cobrir a torta com o disco resultante, fure-a para deixar escapar o vapor do cozimento ou faça como o mané amador eu, um xadrez de tirinhas com o restante da massa.

Dizem na internet que demora meia hora no forno médio-baixo pré-aquecido, mas aqui demorou cerca de 1 hora, provavelmente porque eu estava ansioso e abri o forno a cada 10 minutos. Quando as bordas ficarem douradas e o cheiro for intenso, está bom. Não tem erro!

DICAS:

-Pincele a parte superior da massa com gema de ovo para um dourado bem bonito. (não fiz isso e me arrependo recomendo)
– Talvez tenha que usar mais farinha ou manteiga, depende do ponto.
– Coma quente com sorvete de leite ou em temperatura ambiente, com café.

– Pode ser feito com abacaxi ou banana. (Na próxima vou testar com banana!)

Published in: on 15/07/2009 at 04:53  Comments (7)  

Frango Ensopado e Polenta.

Devido a pedidos enlouquecidos constantes de minhas fãs meus leitores, resolvi fazer um prato quente, salgado e mais complexo que os anteriores.

Escolhi frango com polenta simplesmente porque estava morrendo de vontade de comer esse prato. =)

A polenta tem origem antiga, era usada por romanos e feita de trigo e outros cereais, uma espécie de mingau nutritivo salgado. Com a invasão européia nas Américas e a sua conseqüente troca cultural, o fubá de milho substituiu outras farinhas. No Brasil já era feita desde o século XVII, sob o nome de angu e pode-se dizer que o nosso pirão (feito a base de água, sal, farinha de mandioca, carne/gordura de algum animal e especiarias) é uma espécie de “polenta” feita pelos nativos há milhares de anos.

É um prato pesado e forte, ideal para o inverno. Mistura um alimento quente (fubá), com outro marcante e intenso, que é o frango ensopado e bem temperado. Não é algo fácil de fazer, porque apesar de não ter muito mistério, é trabalhoso, necessita de tempo, paciência e “braço”. Mas garanto que não decepciona, é um preço justo a se pagar.

O resultado dessa receita foi excelente, o frango ficou muito saboroso e cheiroso, já a polenta achei que ficaria ruim, mas a finalização deixou ela super cremosa e delicada. Umas folhas de agrião com limão deram um toque especial. (agradeço mais uma vez ao Emmanuel, que já foi santificado pelo Vaticano, por editar as fotos que tiro)

frango-e-polenta

Ingredientes para o Frango:

– 01 peito de frango com pele (a pele será para o caldo e depois descartada)

– 400ml de caldo de frango

– 100ml de vinho tinto

– 01 cebola grande (cubinhos)

– 01 pimentão médio (cubinhos)

– 01 lata de tomates italianos pelados

– 01 folha de louro

– 01 colher de café rasa de Cominho

– ½ colher de café rasa de noz moscada

– 01 colher de chá de pimenta do reino

– 01 colher de chá de orégano

– 04 colheres de azeite.

– 03 dentes de alho.

– Sal e ajinomoto a gosto.

Ingredientes para a Polenta:

– 01 litro de água mineral

– 1 ½  xícaras de fubá fino.

– 01 colher generosa de sopa de manteiga gelada.

– cebolinha e sal a gosto.

Modo de Preparo do Frango:

Antes de tudo, devemos fazer uma marinada e um caldo de frango.

-Para a marinada: corte o peito em cubos (separe a pele e os ossos), coloque em uma tigela, adicione: o vinho, louro, cominho, noz moscada, pimenta do reino, orégano e duas colheres de azeite. Essa mistura ficará de 1 a 2 horas em uma tigela, reservada.

-Para o caldo: coloque a pele e os ossos em 01 litro de água, três dentes de alho picados com casca, uma pitada de ajinomoto e uma colher de sopa de sal. Deixe no fogo alto até reduzir pela metade ou menos, passe na peneira e reserve o líquido.

Frite bem a cebola em um fio de azeite (duas das quatro colheres), adicione o frango (sem o caldo da marinada) e deixe-o refogar um pouco. Adicione os pimentões e os tomates pelados, mexa e deixe dar uma segunda refogada, adicione o caldo da marinada e o caldo de frango. Espere ferver, abaixe o fogo e deixe semi-tampado por uns 50 minutos borbulhando, mexendo as vezes, até reduzir e o caldo ficar grosso. (corrija o sal e a pimenta apenas perto do final)

Modo de Preparo da Polenta:

Deixe a água ferver com uma boa pitada de sal e ao levantar fervura, abaixe o fogo e vá adicionando o fubá aos poucos, em fio e bem lentamente, sempre mexendo para não empelotar. Quando chegar ao ponto, desligue o fogo, adicione a cebolinha picada e a colher de manteiga gelada e mexa (para ficar mais cremoso).

Dicas:

– *Latas de tomates pelados: São iguais as latas de molho “pomarola”, só um pouco maiores e caras, dentro delas têm alguns tomates italianos sem a pele e suco de tomate. Nessa receita eu apertei os tomates e descartei seu recheio, só aproveitando o suco e a “carne”, mas esse procedimento não é obrigatório em outros molhos. Um detalhe, depois que você usa esses tomates, nunca mais coloca a boca em outros molhos enlatados.

– Usei um vinho doce de mesa, mas além de ser o único daqui de casas, ele era meio forte e alcoólico (diferente de um vinho suave tradicional), recomendo que se use vinho seco.

– Se a polenta empelotar (isso dá música!), faça como o esperto aqui, use a batedeira por alguns minutos e a coisa desempelota todinha!

– Faça uma saladinha de rúcula ou agrião, temperada com limão para acompanhar.

– É uma receita trabalhosa, comece a fazer às 9:30 se pretende comer meio dia.

Published in: on 11/07/2009 at 21:43  Comments (8)  

Mandiopã

Vocês conhecem ou já ouviram falar em Mandiopã (Mandiopan)? Acho dificil! Pois é uma comida brasileira, prática, barata, gostosa e desconhecida pela maioria das pessoas! Tem uma textura de baconzitos, mas é mais leve e seu sabor é neutro, podendo ser adicionado sal e ajinomoto ou açúcar, canela e/ou leite moça.

Segundo a Wikipédia:

“Mandiopan ou fritopan é um salgadinho feito a base de mandioca, o primeiro fabricado no Brasil

É um alimento rico em amido. As pequenas e duras rodelas esbranquiçadas se transformam em petisco leve e crocante, e deve ser frito antes de consumido. Tinha a fama de ser encharcado de óleo, mesmo assim fez sucesso nas décadas de 1980 e 1990.

História

O Mandiopã foi criado em 1954, por Antônio Gomercindo, (Limeira, 7 de julho de 1937). Na década de 1960 foi um grande sucesso lançando os sabores queijo, bacon e camarão. A empresa foi absorvida pela Hikari, quando foi lançado o Fritopã, que existiu até o início da década de 1990, quando acabou. Antônio Gomercindo monta uma nova empresa e relança em nossos dias o clássico Mandiopã.”

Acho que essa será a receita mais fácil e talvez a mais curiosa que postarei no meu site por muito tempo. (Agradeço ao Emmanuel por ter editado mais uma foto minha)

Mandiopan

Ingredientes:

-meio pacote de mandiopã (para 4 pessoas)

-Dois dedos de óleo em uma frigideira pequena (ou uma fritadeira cheia de óleo).

Preparo:

Esquente o óleo e quando estiver quente, baixe o fogo(apenas para manter a temperatura). Vá colocando de 3 em 3 mandiopãs. Se não tiver uma fritadeira em casa, use um pegador de gelo ou macarrão para pescar o mandiopã. Ele abre em 1 ou 2 segundos (acima disso é porque o óleo está frio) e você precisa pesca-lo em 3 a 10 segundos (acima de 15, ele queima e fica amarronzado e amargando, se queimar rápido demais, é porque o óleo está muito quente). Achei esse vídeo no youtube para ilustrar o preparo, existem vários outros semelhantes.

Dicas:

– Pode ser comprado em mercados de coisas exóticas ou orientais, é mais comum em São Paulo e Paraná.

– Assim que fritar, deixe no papel toalha e depois que fritar toda porção, adicione o sal e o ajinomoto (ou o açúcar/canela)

– Coma assim que fizer, ele murcha e fica ruim em minutos.

– Pode substituir a pipoca. (Sou metido e adoro impressionar as pessoas servindo mandiopã em vez de pipoca)

– Não é caro, um pacote de 100gr custa entre R$ 2,00 e R$3,00, rendendo  8 – 10 porções como dessa da foto.

-Se ainda restam dúvidas, digite “Mandiopan” no google! hahahahha!

Espero que tenham gostado de conhecer tal iguaria. Vale a pena provar coisas diferentes, principalmente de aparência tão curiosa e com uma origem genuinamente brasileira.



Published in: on 10/07/2009 at 01:18  Comments (7)  

Arroz Doce

Conhecida comida típica de nossas festas de junho (São João principalmente), o arroz doce é um prato luso-brasileiro que consiste basicamente em arroz, leite, açúcar e especiarias, tendo algumas variações regionais com ovos, coco ou laranja.  Gosto muito desse prato porque ele é muito fácil de fazer, quase todo mundo aprecia, usa poucos (e baratos) ingredientes e pode ser manipulado sem perder a originalidade, como por exemplo: trocando as especiarias ou alterando sua consistência, deixando parecido com um pudim ou uma sopa.

Espero que todos consigam entender a explicação e tenham coragem de testar em casa, peço desculpas se alguma coisa ficou vaga ou a foto ficou amadora, mas é minha primeira postagem de receita. Agradeço ao Emmanuel Mascarenhas que ajudou a editar a foto que tirei, também à Carolina Tavares que fez umas correções no texto e ofereço nosso trabalho à minha grande amiga Eli, que passou por um aneurisma há 10 dias e hoje finalmente saiu do coma! (em breve irá comer esse arroz doce conosco!)

Imagem01

Arroz Doce:

Ingredientes:

01 litro de água

Canela em pau (03 pauzinhos), cravo (08 pauzinhos ou uma pitada) e noz-moscada (uma pitadinha minúscula).

01 e ½ xícaras de arroz fino.

½ xícara de açúcar

01 litro de leite integral

05 -10 gotas de essência de baunilha.

01 lata de leite condensado.

01 lata de creme de leite (pode ser uma caixinha ou duas)

Modo de Preparo:

Ferva 1 litro de água com a canela em pau, a noz e os cravos em uma panela grande. Adicione o arroz e o açúcar e mexa de vez em quando para não colar. Quando ele estiver quase cozido (água “sumiu”, mas ainda está molhado-borbulhando e o arroz está durinho por dentro), adicione as gotas de baunilha e 1 litro de leite em temperatura ambiente. Mexa de vez em quando, até ferver, aí adicione o leite condensado e mexa por uns 5 a 10 minutos, dependendo do ponto do arroz, que deve estar bemmm cozidinho (mais que o arroz tradicional que comemos). Quando estiver no ponto, desligue o fogo e adicione o creme de leite (sem soro).

Dicas:

-Não acho necessário tampar ou usar fogo baixo enquanto cozinha. (só tampe antes de a água ferver e só tampe/abaixe o fogo se por algum motivo o caldo reduzir muito e ele ainda estiver cru)

– CUIDADO com canela, cravo e noz-moscada, um pouco a mais e sua receita vai para o buraco.

– Use duas caixinhas de creme de leite, dependendo do quão doce quer a receita (uma caixinha = mais doce e menos cremoso, duas caixinhas = menos doce e mais cremoso)

– Pode usar arroz quebradinho, de baixa qualidade, mas NUNCA use arroz parboilizado.

– Algumas pessoas substituem a essência de baunilha por essência de laranja, pedaços de chocolate ou pedaços de frutas. Isso é legal, mas descaracteriza o arroz doce original.

– No nordeste costuma-se substituir metade do leite por meio litro de leite de coco ou adicionar coco queimado, fica excelente.

– Pode comer quente, temperatura ambiente ou gelado.

– Polvilhe canela por cima. =)

Published in: on 08/07/2009 at 03:29  Comments (9)  

Apresentação.

Oi Pessoas, bem-vindas ao mais novo blog de gastronomia do Brasil!

Meu nome é Emanuel Tadeo Furtado Filho, tenho 23 anos, sou paranaense e resido em Recife desde 1996.  Me formei em história pela UFPE, estou cursando pós em alta gastronomia e trabalho no ramo de móveis, como gerente comercial.

Sempre gostei de cozinhar e de comer, provavelmente porque fui um gordinho que sabia precisou se virar na cozinha desde os 10 anos. Criei esse blog para dividir com vocês algumas experiências que adquiri com as panelas, desde minhas “alquimias” quando criança, passando pela história da alimentação e chegando até as receitas que criei. Pretendo construir isso aos poucos, botando em prática pequenos projetos e idéias que estão ainda no papel. Conto com a ajuda de vocês.

Sobre o nome do Blog: quem não se lembra do cãozinho cozinheiro-afrancesado que ao meio-dia (hora da fome) falava no encerramento da TV Colosso: “Atención, está na hôrra de matar a fomê!!! TÁ NA MESA PÊSSSOAAAALLL!!!”

Gostaria de agradecer a todos que visitam meu blog, espero contribuir para sua mesa e cozinha. Agradeço também aos meus amigos, conhecidos, blogueiros e parentes que deram dicas na culinária e no uso da internet.

Espero que apreciem e se deliciem (Ui!) sem moderação! =)

Published in: on 06/07/2009 at 12:43  Comments (13)