Bolo de Chocolate 1,2,3…

Receita bobinha, iguais todas as primeiras que postei aqui. Só pelo nome, já se imagina que é coisa simples, realmente, simples demais! É ideal para quem nunca cozinha nada, não tem paciência para fazer clara em neve e coisas do tipo. Nunca achei que essas coisas dessem certo, mas me surpreendi ao testar a fórmula postada na página de gastronomia do portal Tela Jovem (www.telajovem.com.br) por minha amiga Camila Dantas, que insistiu para que eu fizesse a tal experiência.
Simplicidade é: 1 de chocolate, 1,5 de leite, 2 de açúcar, 3 de farinha, 4 ovos e por aí foi! Mas nesse caso eu fiz apenas meia receita, porque tenho uma fôrma pequena e me pareceram ingredientes demais. Nota importante, observe detalhes como: peneirar e colocar os ingredientes em ordem correta. Também é um bolo adaptável, na primeira vez fiz com uma casquinha de açúcar cristal, depois fiz duas vezes, cada uma delas com um tipo de cobertura.
Como se trata de algo muito fácil e gostoso, acho que muitas pessoas farão, se puderem relatar e mandar fotos, seria ótimo!
Boa sorte.

Imagem

Ingredientes:
100g de manteiga em ponto de pomada.
01 Xíc de açúcar refinado.
02 ovos.
1 ½ (1,5) Xíc Farinha.
1/2 (0,5)Xíc Chocolate em pó.
¾ (0,75)Xíc Leite.
½ (0,5) colher de fermento químico.

Modo de Preparo:
Bata a manteiga e o açúcar até ficar “branco”, adicione os dois ovos e deixe bater mais. Adicione a farinha e o chocolate peneirados (importante!) e depois o leite. Após bater mais um pouco e ficar cremoso, adicione o fermente e se quiser, uma pitadinha mínima de sal. Asse em forma furada untada-enfarinhada, forno médio-baixo (200°C) pré aquecido por cerca de meia hora, até ficar leve e bem durinho por cima.

Dicas:
– Para a casquinha de açúcar, é muuuito fácil. Basta untar com margarina e colocar açúcar em vez de farinha, mas lembre-se de usar aquele açúcar bem grosso, especial para caldas ou ao menos o cristal (nunca o refinado ou fino!). Nesse caso também é dispensável qualquer outra cobertura.
– Cobertura da foto foi um MoçaFiesta esquecido no armário e 150ml de leite, esquentados de 30 em 30s no micro e mexidos, sempre critico essas coisas industrializadas “prontas”, mas tudo tem sua utilidade, né?. Na última versão que fiz foi um brigadeiro mole de panela, combina muito. Alias, sendo sincero, eu comeria puro, mas as pessoas gordas que convivem comigo exigem aquela coisa doce e melequenta… uhauhahuahuahu.
– Em vez de manteiga (Usei um pacotinho de Sancor), pode usar margarina ou 70 manteiga e 30 óleo… fiz de várias maneiras e não notei diferença, sempre o melhor é manteiga pura e boa, mas na falta, outras gorduras quebram um bom galho.
– Não preciso relembrar que chocolate em pó não é achocolatado, né? (Nescau, Toddy etc)

Patê de Truta Defumada

Há alguns dias fui na casa de minha antiga chefe, depois de boas conversas, cafés e bolos, começamos a revirar arrumar sua cozinha, mui cheia de tudo e um pouco desorganizada devido ao corre-corre e a quantidade-variedade de insumos ali presentes. Me deparei com uma coisa feia estranha assustadora exótica, um peixe marrom fechado a vácuo, se tratava de uma truta defumada e com validade na iminência de vencer. Minha chefe iria viajar e passar alguns dias foras, por isso a truta venceria antes que ela voltasse… resultado: Ganhei uma truta defumada!!!
E agora, o que fazer? Seguindo sugestão da presenteadora, bastava limpa-la (tirar peles e espinhas) e fazer um patê simples, como se faz com atum ou sardinha enlatados.
Foi preciso coragem para abrir o pacote, o bicho é feio e oleoso mesmo, nunca tinha manipulado algo desse tipo, mas depois fui tirando a pele (fininha), as espinhas mais grossas e depois tirando as mais finas e cartilaginosas (que podem ser comidas sem preocupação e até sem percepção).

A receita segue abaixo e na hora de comer, decidi liberar o lado saudável da força e acompanhar a iguaria com pão ciabatta e uma saladinha de tomate-alface. O foco dessa postagem é o ingrediente e como é possível surpreender usando de uma receita absurdamente simples. (CLIQUE NA IMAGEM, esse atual editor tem postado a foto como entende, elas estão saindo em HD, mas cortadas pela metade)

Imagem

Imagem

Ingredientes:
01 truta defumada.
01-02 colheres de cream cheese.
02-03 colheres de azeite.
½ cebola pequena bem picadinha.
01 limão.
Pimenta do reino a gosto.

Modo de preparo:

Limpe a truta, tirando a pele e as espinhas, esmigalhe em um prato (retirando mais espinhas), adicione os outros ingredientes de acordo com seu gosto, para umedecer e suavizar o sal-sabor forte do peixe (mas sem apaga-lo, claro!). Depois de bem misturado, coma com pão, torradas, bolacha, salada ou o que bem entender.

Dicas:
– Essa truta foi um presente, não sei exatamente o quanto custa, mas acredito que seja algo entre 8 e 15 reais.
– Existe também o filé defumado, deve ser mais caro, mas talvez compense pela facilidade de manipulação.
– Os ingredientes podem ser substituídos por aqueles que você costuma usar em patês, em vez do limão e cream cheese, poderia usar coalhada seca ou iogurte. Só não recomendo maionese, pois ao contrário do atum em água, esse insumo é muito salgado-forte, a maionese só acentuaria isso, pois também é salgada.

Torta Gaúcha

Também conhecida como Torta de Liquidifiador, Torta de Padaria, Torta Paulista e a famosa Torta Japonesa de “Sorobô”, é uma iguaria fácil, prática, econômica e claro, deliciosa!
As variações são imensas, se digitar na ferramenta de busca online gogglear, aparecerão milhares de receitas, que não apenas se diferenciam entre si, como apresentam métodos e proporções esdrúxulas! Muito cuidado com pesquisas gastronômicas de internet, procurem sempre blogs onde os pratos são testados e garantidos, pois esses grandes portais culinários não filtram nada e pessoas postam qualquer coisa sem sentido.
Entre tantos títulos, elegi esse por lembranças de um curso que fiz há quase 3 anos atrás, onde , no último dia de aula, uma senhora gaúcha levou uma simples torta de liquidificador e fez um sucesso absurdo. Outra curiosidade pessoal sobre essa maravilha, é que fiz duas vezes, na primeira (uma semana atrás) comemos tudo e esqueci de fotografar! Pensei em desistir, mas na CartaCapital dessa semana, o Márcio Alemão (Dono da coluna Refogado) também falou sobre essa torta (receita diferente da minha) e as lembranças da infância que ela trazia.
Optei fazer no sabor que remete a uma pizza, mas é possível usar de um tudo nessa receita, como: carne moída, charque, frango, sardinha, camarões, ervilha, leguminosas, conservas, etc… desde que se respeite as proporções e o bom senso.

Imagem

Ingredientes:
1 ½ xícara de leite integral.
½ xícara de óleo.
03 ovos.
02 xícaras de farinha de trigo.
½ xícara de amido de milho (maisena).
50G de queijo ralado em pó. (um saquinho)
01 colher de fermento químico.
200g de presunto (fatiado-picado)
300g de queijo muçarela (fatiado-picado)
01 tomate médio picado (sem semente).
1/3 pimentão verde picado.
½ cebola picada.
Cebolinha a gosto. (usei ¼ de maço)
01 lata de milho (bem drenada)
Orégano, sal e pimenta do reino.

Modo de Preparo:
Bater no liquidificador o leite, óleo e ovos, adicionar o queijo ralado, trigo, amido e sal, quando virar uma massa homogênea(é rápido), misture com o fermento e os outros ingredientes picados, verifique o sal e temperos, coloque em uma fôrma média (20X30cm) untada e enfarinhada. Deixe em forno baixo (200°C) pré-aquecido por cerca de 01 hora, até ficar castanho escuro por cima.

Dicas:
– Ingredientes podem ser substituídos, como já falei acima, o recheio vai do gosto, o importante é respeitar as medidas da massa.
– Atenção com o forno, alto demais pode deixar encruado por dentro, principalmente porque esses ingredientes que usei (presunto, tomate, cebola, milho) soltam muita água e se tratando de uma massa quase líquida, todo cuidado é pouco.
– Eu sei que sempre fui um militante anti-queijo ralado em pó, continuo sendo, pois aquilo não é queijo! Porém é um ingrediente como qualquer outro, agrega sabor na massa, pois é rico em gordura e sódio, mas pode ser trocado por algo melhor, como parmesão de verdade.
– Recomendo fazer isso em um café da tarde, levei 30 minutos preparando tudo do zero e 01 hora com cara de tédio até ficar pronta, tempo para lavar a louça acumulada da cozinha e arrumar a casa toda.

Macarrão Alho e Óleo

Sinceramente? Um dos pratos mais geniais que já inventaram! É barato, prático, gostoso, rústico e graças a Zeus, não é nada saudável! Pra mim tem cara de churrascaria da beira de estrada, casa da vovó ou vida de solteiro, claro, tudo nos anos 80!

Até o nome é perfeito, pois brinca com o famoso molho provençal chamado “Aioli”, que é uma espécie de maionese carregadona no alho.

Se você é vagabundo preguiçoso ocupado demais para gastar mais de 20 minutos cozinhando, tá aí uma boa opção. É uma comida que você pode aproveitar até o macarrão gelado da semana passada do almoço! É algo tão rústico, que coloquei até uma cebolinha mais grosseira que cano de passar bosta, parede de igreja, calcanhar de pedreiro, alho poró sujo da feira!

Ingredientes:

200g de macarrão spaghetti ou Spaghettini.

04 dentes de alho grandões (ou 06 médios)

1/3 do maço de salsinha.

¼ do maço de cebolinha.

20ml de azeite.

20ml de óleo comum.

Sal e pimenta do reino.

Modo de preparo:

Cozinhe o macarrão em água abundante (1,5l aprox), salgada (2 colheres de sal) e borbulhante. Assim que botar a massa para escorrer, frite o alho até dourar, adicione a salsa, cebolinha e o macarrão (já escorrido) e vá misturando e corrigindo o sal-pimenta se necessário. E tá pronto, mais simples que isso, só miojo!

Dicas:

-Não seja tão mão-de-vaca pão-duro muquirana unha-de-fome Julius econômico, compre macarrão di grano duro

-Como a água do macarrão já é salgada, dificilmente você precisará corrigir o sal, principalmente se adicionar a massa ainda levemente molhada (o ideal).

-O macarrão deve estar al dente pra meio durinho, já que terminará de cozinhar com os outros ingredientes na frigideira.

-O alho deve ser colocado sobre o óleo ainda frio, aos poucos ele vai fritando e quando os pedacinhos menores ficarem marrons (mesmo que os maiores ainda estejam brancos e apenas com as bordas tostadas), adicione os outros ingredientes.

-Usei meio a meio no óleo porque apenas 1 deles fica caro demais. Juliuslifestyle.

-Esse prato rende para duas pessoas “normais”. (3 porções dessas da foto)

-Apenas dê um “susto” no macarrão, não precisa fritá-lo.

-Algumas pessoas colocam outras coisas misturadas, mas eu prefiro o tradicional mesmo. No máximo colocaria uma dedo de moça sem sementes e beeem picadinha.

-Se for usar macarrão de geladeira, dê uma escaldada com água quente, além de tirar o “gelado”, ele ficará mais soltinho. Nesse caso, preste atenção ao sal, que provavelmente faltará.

Pudim de Leite

Leitores queridos. Como vão as senhoras e senhores nesse lindo 2011?
Estou ansioso, pois: traçando o plano de negócios da empresa (segredo ainda), esperando o resultado de uma prova (para ser professor de gastronomia do SENAC) e indo viajar daqui uma semana para Recife, onde tirarei fotos e postarei no blog. A coisa mais engraçada do mundo é voltar para sua cidade como turista!
A receita que vou postar é vergonhosa de tão simples! Espero compensa-los na próxima postagem, pois já postei coisas muito parecidas aqui, como o flan ou o pudim de café, ambos com receitas quase iguais.
Como sabemos, o pudim de leite talvez seja um dos doces mais comuns no Brasil e provavelmente no Mundo!(sob outras versões e nomes)
Leite, ovos e açúcar sempre foram a base da confeitaria, principalmente a portuguesa e brasileira. Mas esse pudim como o  conhecemos, usando o leite condensado em lata, surgiu no Brasil no fim do Séc. XIX, com a importação de latas de leite condensado de uma fábrica suíça (Nestlé) com o desenho de uma bela moça no rótulo. Como se tratava de uma novidade tecnológica (leite enlatado), logo o doce foi apelidado de “Pudim Republicano”, pois aconteciam essas mudanças políticas naquela época.
O resto da história nós conhecemos, uns gostam dele furadinho e outros mais maciço, uns gostam da calda mais queimadinha e amarga e outros praticamente sem calda… o importante pra mim é comer essa delícia em alguma tarde preguiçosa, depois de uma refeição leve e ouvindo uma música gostosa. Por isso vou testar uma nova coisa no blog, indicar músicas que harmonizem com a comida! Claro, música tem muito mais a ver com seus gostos e seu estado de espírito, do que ficar “casando” com o doce ou salgado dos pratos, mas não custa juntar duas coisas maravilhosas como a música e a gastronomia! Coisa de gente mais fresca, gay, desocupada, idiota, sensível mesmo.
A foto ficou meio diferente, pois as luzes desse apartamento são péssimas e me obriguei a fotografar da varanda!

Ingredientes:
– 01 lata de leite condensado (usei Nestlé)
– 01 e 1/2 lata de leite integral (usar a lata do leite cond. como medida)
– 03 ovos (peneirados)
– 01 micro-mini-little raspinha de limão (opcional)
– 1/2 xícara de açúcar (para calda)

Modo de Preparo:
Coloque todos os ingredientes no liquidificador (menos o açúcar da calda) e deixe batendo. Enquanto isso, faça a calda na própria fôrma furada do pudim, fogo baixo e sempre mexendo. Após a calda pronta, deixe esfriar por 30s a 1min, coloque a mistura que estava batendo no liquidificador por cima. Tampe e coloque em banho maria (forno baixo pré-aquecido, 180°C) por 1 hora e meia.

Dicas:
– A raspa de limão é opcional, ela não dará sabor, mas tende a diminuir o cheiro-gosto de ovo que pode ficar no pudim.
– Peneirar as gemas do ovo ajuda a evitar o tal gosto indesejado (sinceramente, nunca senti, mas algumas pessoas reclamam)
– Se bater bem no liquidificador (uns 3-6min), ficará mais furadinho. Se quer ele mais maciço, bata só o bastante para misturar os ingredientes.
– Quando for fazer a calda, cuidado para não se queimar. Use uma luva especial para segurar a fôrma e ela não virar, cuidado ao ponto, nao deixe ferver-queimar e nem com pedras de açúcar.
– Esse tempinho para “esfriar” o açúcar é muito delicado, pois se passar disso vira uma bala por esfriar demais e se for antes, o caramelo mistura ao pudim, ele fica escuro e sem contraste.
– Uma dica para desenformar, é além de passar uma faca nas bordas, colocar um pano úmido quente no fundo da fôrma antes de vira-la.

Música:
Não sei se vocês vão gostar, eu também acho a música “açucarada” demais e a cantora polêmica (alguns amam e outros odeiam), mas acho que com pudim combina:

Mallu Magalhães – Tchubaruba
Download: http://www.4shared.com/audio/P63IVWEl/Mallu_Magalhes_-_Tchubaruba.htm
Youtube: http://www.youtube.com/watch?v=f0_lDCMHjsM

Biscoito de Chocolate e Limão

A primeira receita pós-viagem. Como o mundo é engraçado, não é? Fiz essa receita para reproduzir uns biscoitos que comi no Santo Grão de São Paulo, mas no final, só consegui fazer a versão gostosa e correta de uns cookies que fiz há quase 01 ano atrás!
Era para ser biscoitinho de chocolate com limão… alias, é isso! Mas os biscoitos não ficaram parecidos com o que eu esperava, mas confesso que ficaram uma delícia, super crocante, de sabor suave e caseiro!
Receita simples mas trabalhosa, recomendo dedicar uma tarde livre!


Ingredientes:

– 02 xícaras de farinha de trigo.
– 01 e ½ xíc. de Aveia (flocos finos)
– 01 xíc. De Chocolate em pó.
– 01 xíc. De Açúcar (fino)
– 02 ovos.
– 100g de manteiga.
– 01 colher (chá) de fermento
– 01 limão (raspas da casca e todo o sumo)

Modo de preparo:
Misture todos os ingredientes, faça bolinhas como pequenos brigadeiros e amasse fazendo pequenos discos na fôrma. Deixe em forno mínimo (cerca de 120-150°C) por cerca de 1 hora.

Dicas:
– Unte a fôrma com óleo, apenas um fio basta.
– Faça biscoitos finos e pequenos, porque eles são bons quando bem durinhos e crocantes
– Se alguém quiser teste com 02 limões, porque 01 limão apenas SOME depois de assado (apesar de se destacar enquanto a massa está crua)
– A receita rende uns 100 biscoitos médios, talvez precise de duas ou três fornadas (lembra que eu falei de usar a tarde toda?)
– Pode até fazer biscoitos menores e vender, essa receita custa uns R$ 6,00 aproximadamente e rende até 250 biscoitinhos pequenos (para cafés). Uma boa embalagem e valor agregado, o cara consegue 300% sobre isso sem bronca.

Café Vietnamita

Pessoas que me deram como desaparecido! Volteeeeiii, foi a saudade que me trouxe pelo braço! Hahahahahaha.

Estava ocupado fazendo uns cursos, pois voltei do sul com a cabeça fervilhando de idéias e tive que canalizar para algo honesto produtivo. Estive cozinhando, mas só comidinhas que já existiam aqui no Blog, nem róla repetir receitas, né?
Bom, pela primeira vez vou postar um drink. Sem álcool, eu sei, mas é drink porra oras! Aprendi essa “receita” no programa de viagens e gastronomia do Anthony Bordain, no Discovery Travel and Living. Parece que essa é a forma cotidiana como os vietnamitas consomem seu café, gelado igual suco. Não tem nem o que dizer, é a coisa mais simples do mundo, leva apenas três ingredientes que são misturados.
Sim, mais uma coisa… Terminei meu curso de barista (profissional de café) nessa sexta(30/04/2010), agradeço meu mestre Jonathan Silva, que além de excelente professor, tem sido um grande amigo.


Ingredientes:

100ml de café bem forte. (ou 1 espresso doppio)
70g de leite condensado (aprox 1/6 da latinha)
Gelo (umas 4 ou 5 pedras).

Modo de preparo:
Passe o café direto sobre o leite condensado, coloque o gelo e bata numa coqueteleira ou misture bem com uma colher. Não recomendo o uso de liquidificadores, pois testamos frozen e não ficou bacana.

Published in: on 04/05/2010 at 22:27  Comments (4)  
Tags: , , , , , , , , , , , , ,

Bruschetta

Uma das entradas italianas mais tradicionais, um dos pratos mais simples para se fazer e uma das delícias mais saudáveis do mundo, é ela, a Vragihnna Bruschetta!!!

Cada pessoa tem um tipo de receita, e claro, desenvolvi a minha. Usei influências da Tata (nossa amiga de Curitiba) e da internet (lógico!), mas minha maior inspiração foi a Srta Catarina Cake, que há 02 dias ficou se exibindo, dizendo que fez a melhor de todas as Bruschettas! Aceitei o desafio e vou provar que a Buceta Bruschetta do Tadeo é a mais totosa do Recife Nordeste Brasil Planeta Universo!!!

Ingredientes:

06 fatias de pão (usei integral Graham)

06 tomates médios (vermelhos e firmes)

100g de queijo parmesão ralado na hora  (se usar aquele pó nojento, eu mato!)

60ml de azeite de oliva extra-virgem

02 Dentes de alho bem picados.

01 colher (sopa) de orégano

01 colher (café) de alecrim

Sal e pimenta do reino.

Modo de Preparo:

Pique o tomate em cubinhos (sem o miolo), seque*, misture em uma bacia com o sal, pimenta, ervas, alho e azeite. Para montar, coloque a fatia de pão, o queijo e com um pegador, coloque o tomate. Coloque em forno quente (240-260°C) pré aquecido, por 5 minutos no máximo (ele não deve torrar, apenas dar uma leve tostada em baixo e uma boa amornada no tomate)

Dicas:

– Para secar* o tomate, coloque os cubos em um prato forrado com um pano de prato limpo, faça uma trouxa e dê umas balançadas. Repare que o pano ficará vermelho e bem molhado. Em hipótese alguma aperte-o!

– Usei pão integral para ser diferente, o Graham é o melhor que conheço para essa receita, mas pode usar o que quiser, até uma banda de pão francês.

– Não deixe muito salgado, o parmesão já tem sal e essa receita prima pela sabor do tomate, alho e ervas.

– Muito cuidado ao usar o orégano, alecrim e principalmente o alho. Podem estragar sua receita!

– Para acompanhar, vinho ou suco de uva são perfeitos!

– Coma na hora, ao contrário do que o Sérgio Reis prega, bruschetta véia não faz comida boa!

Chandelle

Tudo começou com uma surpresa que se transformou em um erro, que se transfigurou em chandelle!

Minha amiga Adriely me deu um potinho com brigadeirão dentro. Eu só pude comer um pouco, porque ele “sumiu” misteriosamente. Fiquei com aquele gostinho de quero mais e pensei “poxa, eu posso fazer meu próprio brigadeirão!”.  Bolei uma receita que levasse doce de leite e chocolate, uma espécie de pudim super magnífico diferente, que dominasse o mundo e esmagasse civilizações, me dando poder de governar o planeta!!! agradasse à todos.

Fui ao mercado, mas não tinha doce de leite mole! Contrariado, mas com as lombrigas se rebelando muito desejo, comprei um Moça Fiesta (aquela lata de brigadeiro pronto). Chegando em casa fiz aquela bruxaria receita básica de pudim, mas em vez do leite condensado, usei o brigadeiro enlatado e ainda adicionei chocolate em pó e maisena. Pois é, meus caros leitores, não deu certo, ficou muito diferente do que eu imaginava, não desenformou, um desgosto. Levei para o escritório no outro dia e deixei na geladeira, quem sabe alguém passa aqui e come?  Meia hora depois uma das meninas colocou a cara na porta e disse “pode acabar ou você ainda quer?”. Simmm… ele está vivoooo!!! O brigadeirão que deu errado, virou um 1 kg de chandelle duro! Repensei a receita, mudei alguns ingredientes e batata!!! Temos aqui a receita de Chandelle, igualzinho o comprado no mercado!

chandelle

Ingredientes:

01 lata de brigadeiro moça fiesta. (385g)

01 lata de creme de leite (300g)

½ medida de leite (meia lata do creme, 150ml)

½ xícara de chocolate em pó (não é nescau!)

02 ovos

Modo de Preparo.

Bata tudo no liquidificador, coloque em uma panela e tampe e asse por 40 mintuos  em banho-maria, forno médio pré-aquecido (220°C).

Quando ficar pronto, transfira para um recipiente mais bonito, de louça, espere esfriar e coloque na geladeira. (deixe ao menos 6 horas na geladeira antes de comer)

Dicas:

– Por motivos óbvios, a panela deve ter cabo metálico.

Pão de queijo tradicional.

É uma postagem expressa.

Apenas para constar, é a mesma receita do Pão de Queijo Caipira (última receita do blog), mas fiz em fôrminhas pequenas e sem nenhum “Plus”, como salame ou presunto.

O sabor melhorou, por causa do tamanho, a massa ficou mais fina e delicada.

Eu garanto, é a melhor receita de pão-de-queijo que já conheci!!!

pão de queijo

Ingredientes:

01 1/2 Xícaras de Polvilho Azedo
01 1/2 Xícaras de Polvilho Doce
03 Ovos Inteiros
01 Xícara de Queijo Parmesão Ralado
01 Xícara de Leite
01 Xícara de Óleo

01 Pitada de Sal

Modo de Preparo:

Bata tudo no liquidificador, unte as fôrminhas com manteiga e polvilhos doce-azedo, adicione a mistura (entre 1/2 e 2/3 de cada recipiente), coloque em forno pré-aquecido médio-baixo (180°-220°C), demora aproximadamente 25 minutos.

Dicas:

– PELO AMOR DE DEUS, NÃO USE QUEIJO RALADO EM PÓ! Desembolse um pouco de dinheiro e compre parmesão para ralar na hora, se for usar aquele extrato de pó de vômito queijo ralado de saquinho, melhor seguir outra receita, não a minha!