Bolo de Chocolate 1,2,3…

Receita bobinha, iguais todas as primeiras que postei aqui. Só pelo nome, já se imagina que é coisa simples, realmente, simples demais! É ideal para quem nunca cozinha nada, não tem paciência para fazer clara em neve e coisas do tipo. Nunca achei que essas coisas dessem certo, mas me surpreendi ao testar a fórmula postada na página de gastronomia do portal Tela Jovem (www.telajovem.com.br) por minha amiga Camila Dantas, que insistiu para que eu fizesse a tal experiência.
Simplicidade é: 1 de chocolate, 1,5 de leite, 2 de açúcar, 3 de farinha, 4 ovos e por aí foi! Mas nesse caso eu fiz apenas meia receita, porque tenho uma fôrma pequena e me pareceram ingredientes demais. Nota importante, observe detalhes como: peneirar e colocar os ingredientes em ordem correta. Também é um bolo adaptável, na primeira vez fiz com uma casquinha de açúcar cristal, depois fiz duas vezes, cada uma delas com um tipo de cobertura.
Como se trata de algo muito fácil e gostoso, acho que muitas pessoas farão, se puderem relatar e mandar fotos, seria ótimo!
Boa sorte.

Imagem

Ingredientes:
100g de manteiga em ponto de pomada.
01 Xíc de açúcar refinado.
02 ovos.
1 ½ (1,5) Xíc Farinha.
1/2 (0,5)Xíc Chocolate em pó.
¾ (0,75)Xíc Leite.
½ (0,5) colher de fermento químico.

Modo de Preparo:
Bata a manteiga e o açúcar até ficar “branco”, adicione os dois ovos e deixe bater mais. Adicione a farinha e o chocolate peneirados (importante!) e depois o leite. Após bater mais um pouco e ficar cremoso, adicione o fermente e se quiser, uma pitadinha mínima de sal. Asse em forma furada untada-enfarinhada, forno médio-baixo (200°C) pré aquecido por cerca de meia hora, até ficar leve e bem durinho por cima.

Dicas:
– Para a casquinha de açúcar, é muuuito fácil. Basta untar com margarina e colocar açúcar em vez de farinha, mas lembre-se de usar aquele açúcar bem grosso, especial para caldas ou ao menos o cristal (nunca o refinado ou fino!). Nesse caso também é dispensável qualquer outra cobertura.
– Cobertura da foto foi um MoçaFiesta esquecido no armário e 150ml de leite, esquentados de 30 em 30s no micro e mexidos, sempre critico essas coisas industrializadas “prontas”, mas tudo tem sua utilidade, né?. Na última versão que fiz foi um brigadeiro mole de panela, combina muito. Alias, sendo sincero, eu comeria puro, mas as pessoas gordas que convivem comigo exigem aquela coisa doce e melequenta… uhauhahuahuahu.
– Em vez de manteiga (Usei um pacotinho de Sancor), pode usar margarina ou 70 manteiga e 30 óleo… fiz de várias maneiras e não notei diferença, sempre o melhor é manteiga pura e boa, mas na falta, outras gorduras quebram um bom galho.
– Não preciso relembrar que chocolate em pó não é achocolatado, né? (Nescau, Toddy etc)

Anúncios

Shimeji Bata Yaki

Um dos petiscos mais comuns no Japão e um dos primeiros a se popularizarem aqui no Brasil, uma excelente opção para impressionar a namorada ou o namorado nesse dia comercial especial, pois é simples e rápido de se fazer. Segundo nosso amigo Google, Bata Yaki significa “cozido na manteiga”, normalmente é servido apenas ele como acompanhamento, mas eu fiz a cafuçagem breguice invenção de misturar ao macarrão de yakisoba, ficou muito bom em termos de sabor, mas os tradicionalistas ficarão irritados ao ver essa foto!
O modo mais legal de se fazer, é embrulhar todos os ingredientes abaixo (menos o macarrão, obviamente!) em uma trouxinha de papel metálico, deixar alguns minutinhos no forno e servir junto a outros acompanhamentos, como: macarrão, arroz, sushi, carnes, etc.

Imagem

Ingredientes:
01 bandeja de shimeji.
50G de manteiga sem sal.
½ maço pequeno de cebolinha.
01 limão.
Shoyu a gosto.
250G de macarrão para Yakisoba (opcional).

Modo de preparo:
Corte a parte grossa do caule dos shimejis, pois são fibrosos, mas pode deixar o caule mais fino, não precisa lavar, apenas tirar terra com cuidado (usando um papel) caso esteja sujo.
Derreta a manteiga, adicione os shimejis até soltarem água, adicione o shoyu, sumo do limão e cebolinha, refogue um pouco mais. (É rápido, dura nem 3 minutos tudo isso)
Se for servir acompanhando alguma coisa, nesse caso macarrão, adicione-o por último.

Dicas:
– O Shimeji é facilmente encontrado nos mercados, uma bandeja custa entre R$ 5,00 e R$ 10,00, pessoalmente acho caro, mas tende a ficar mais barato.
– Os cogumelos não precisam ser lavados, pois isso tira o seu sabor. Eles são plantados em uma terra desinfetada e o máximo de sujeira que podem ter (além da terra), é da mão suja de quem colheu. Mas como estamos falando de cogumelos cozidos e não crus, just don’t worry, be happy!
– Use shoyu de fermentação natural, eles são um pouquinho mais caros, mas menos salgados e muito mais aromáticos-saborosos. O mesmo vale para manteiga, use uma marca boa, nesse caso usei a SanCor, argentina que custa R$ 1,50 o pacotinho de 100g, ela é muito leve e excelente. (Se usar margarina nessa receita, me esqueça como amigo!)

Published in: Sem categoria on 12/06/2012 at 16:44  Comments (3)  
Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Torta de Limão-Cravo

Segundo um livro de química, biologia, geografia, história e botânica ciências aplicada à gastronomia e a boa e velha pesquisa do google, no mundo existe apenas um tipo de limão, que é aquele amarelinho e pontudo que chamamos de “Siciliano”, uma mistura (cidra x lima) e posteriormente ([cidra x lima] x pomelo), chegando no Mediterrâneo em aproximadamente 100d.C.
O restante dos chamados “limões” são espécies de limas ácidas, sendo o mais comum-comercial, que chamamos de Taiti, a lima verde sem sementes.  Também há outras espécies menos comerciais, a mais popular chamamos de cravo, rosa ou caipira (a mesma da receita). Esta é muito comum em determinadas épocas do ano, principalmente pouco antes do inverno em quase todo o Brasil e por ser aparentemente “feio” (com casca fina, sensível e manchada), perecível (dura poucos dias fora do pé) e apresentar muitas sementes, torna-se menos viável para as prateleiras do supermercado. Porém isso não impede de termos à mesa algumas dessas durante os meses de Março a Junho, pois sempre existirá um vizinho, tio, amigo ou feirante para oferecer uma sacola cheia!
E agora, o que fazer com esses gostosos limões amarelos-alaranjados que lembram tangerina azeda?
Eu fiz uma torta e recomendo que façam o mesmo, pois é um item sazonal (e por isso mais nobre) e confesso, um tanto mais gostoso e interessante que a comum!
Já postei anteriormente a receita da torta de limão, não mudei quase nada desde então, apenas aprendi umas dicas e vou repassá-las na íntegra.
(Na foto uns limões-cravo, rosa ou caipira bem maduros e o detalhe para o creme do recheio super delicioso)


Ingredientes:
Base:
02 xícaras de farinha
01 xícara de açúcar refinado.
100G de margarina.
4 gemas.
1 pitada de sal.

Recheio:
05 limões-cravo maduros. (Apenas o sumo)
02 latas de leite condensado.

Cobertura:
Raspa dos 05 limões-cravo.
4 claras de ovo batidas em neve.
01 xícara de açúcar refinado.

Modo de Preparo:
Base: Esmigalhe/misture com a ponta dos dedos a farinha, açúcar e margarina, após feita “farofa”adicione o sal e as gemas, misture até ficar homogêneo, forre uma fôrma de fundo removível, faça furinhos com um garfo e leve ao forno médio até dourar nas pontas. (reserve)
Recheio: Apenas misture os ingredientes e espalhe sobre a base já pré assada.
Cobertura: Bata as claras até ficar em neve, vá adicionando o açúcar e as raspas, espalhando sobre o recheio.
Torta: Leve ao forno baixo pré aquecido até o cobertura ficar castanha como na foto.

Dicas:
– Não sove muito a massa para evitar que crie glúten (sinônimo de elasticidade), fazendo nas pontas dos dedos, mantém aquela textura “clássica” de Pâte Sucrée (massa podre doce)
– Se achar muito difícil trabalhar com a massa, deixe meia hora na geladeira antes de abrir.
– Os furos na base antes de assar são importantes para ela não “subir”, mas mesmo com eles é normal ela crescer um pouco. Outra técnica é colocar alguns grãos de feijão cru por cima (ou umas bolinhas tipo de gude, feitas para isso mesmo e vendidas em lojas de importados).
– Pode fazer a cobertura usando uma manga de confeiteiro. Eu não tenho paciência, por isso espalho de maneira rústica mesmo, fazendo “estalactites” com as costas da colher, que formam gotículas de caramelo depois de fria (curioso, isso só acontece comigo!).

Curiosidade:
-Sabem por quê o recheio fica durinho? Porquê os meios ácidos talham o leite, fazendo com que a caseína (proteína mais comum do leite) se aglomere e consequentemente se separe do soro. Porém o leite condensado é leite já desidratado e cozido (obviamente sem soro), adicionado de açúcar em uma proporção maior que 50% do seu peso. Assim, ao colocar sumo de limão, a caseína se une e enrijecendo a textura do leite condensado.
– Nos EUA o limão siciliano é chamado de “lemon”, e o limão taiti de “lime”. Por isso a Sprite é supostamente de “sabor lima-limão”.

Torta de Amora

Estou em uma fase muito inspirada, além dessa postagem que segue, estou com outras no forno para ir postando aos poucos.
Há alguns dias ouvi uma música muito curiosa: era uma garota bonita cantando no sofá, falava sobre um rapaz (namorado) que ia embora e por isso ela se jogava do alto do prédio e morria em cima dele, que seria romântico ir para o necrotério juntos e coisas do tipo, mas ao final era apenas sua imaginação e ela achou melhor devorar uma torta de amoras para passar o drama. (Curioso, né? Mas vejam que bonitinho ela cantando no link ao fim da postagem, confesso que achei genial!)
Isso me deu um estalo. Será mesmo que tortas de amoras são tão boas assim? Então comecei a pesquisar sobre o tema, pensei em tortas folhadas com recheio de geléia e em tortas tipo american pie, com a fruta quente dentro da massa amanteigada. Mas depois de muito pensar e analisar, conversei com minha chefe e chegamos a conclusão que devido a acidez acentuada da fruta, poderiamos tentar fazer uma coisa como torta de limão, com a base amanteigada, recheio doce e cobertura de frutas puras, mais azedinho.
Marquei de ir na casa da chefe e levar as amoras, lá ela teria todos os outros ingredientes. Quando bati à porta, senti um bom cheiro de biscoitos e descobri que a cidadã já estava assando a base (sem mim, traidora!), decidimos triturar metade das frutinhas para o recheio e usar o restante para decorar.
As cores ficaram absurdamente lindas e o sabor não preciso falar muito, hehehe! Mas eu faria diferente na próxima vez, dividindo a torta em umas 6 forminhas menores, porque o recheio ficou muito mole e dificil porcionar as fatias.
Traduzindo: Ela se derrete ao ser cortada.
Vocês ficarão bobos de saber como é fácil!
(Clique na foto para ficar de tamanho gigante)



Ingredientes:
600g de amoras frescas.
01 lata de leite condensado
100g de farinha de trigo
100g de manteiga com sal
80g de açúcar refinado
Modo de Preparo:
Para a base, misture (à mão) a farinha, manteiga e açúcar, até formar uma massa lisa, forre o fundo e lateral da(s) fôrma(s) e asse até dourar levemente.
Bata metade das amoras com leite condensado, depois recheie a torta, decore com o restante e leve à geladeira (não precisa assar o recheio).
Deixe resfriando por umas 6 horas e pode servir.

Dicas:
– Cuidado ao assar a base, ela assa rápido e como nos distraímos, ela queimou nas bordas. (Dá pra ver claramente nas fotos)
– É muito importante que sejam amoras frescas e não congeladas.

Link da Música:

Viagem ao Recife, Julho de 2011

Adoro essas postagens de turismo, mesmo que não tenham a utilidade de uma receita, elas têm o seu valor quando precisamos saber onde ir em uma cidade diferente ou lugares diferentes na sua própria cidade, né? Por falar nisso, é tão estranho chegar ao Recife, onde vivi por 14 anos e sai há menos de 1 ano, como um turista bobo que se impressiona com coisas óbvias. Nessa viagem sai menos que na anterior, também fui para os mesmos lugares e alguns, repetidas vezes.
Vamos começar pelos lanches…
Em Recife existem boas burguerias “chics”, aquelas com clima vintage, misturam anos 60 com 80, uma coisa meio Embalos de Sábado a Noite com De Volta para o Futuro.
Visitei duas delas, velhas conhecidas dos meus tempos de pernambucano.
A primeira que falo é a PinUp, vou desde 2006 quando abriu, algumas épocas até 2 vezes na semana. Os preços são justos, pois a porção é generosa e o sabor excelente. A loja fica no bairro do Pina e o ambiente é variado, com jovens, famílias e casais. Um casal com apetite normal divide um sanduíche grande, batata e sobremesa, com refri e 10% não sai mais que R$ 20,00 pra cada. Essa foto abaixo é do MENOR sanduíche, que custa uns R$ 6,00 (Os outros custam o dobro) e a sobremesa chama-se Little Italy, é uma espécie de torta alemã ou pavê de chocolate com uma bola de sorvete em cima, absurdamente delicioso. Cuidado com o “truque” do queijo, pois eles sempre perguntam “qual o queijo?” e você paga uns 2 ou 3 reais a mais por uma fatia de queijo processado, basta pedir “sem queijo”, além de economizar uma grana, você não “suja” seu delicioso hamburguer com essa fatia de gordura sintética.

Esse sanduíche é da Saturdays, uma outra burgueria em Boa Viagem/Pina. Porém esse estabelecimento conta com um ambiente menos vintage e mais americano, também um público (e música) bem mais jovem e barulhento. Os sanduíches são um pouco menos caros e consequentemente menores (o sabor da carne é perfeito). Infelizmente eles sempre pecaram no atendimento, que há anos é péssimo, mas não custa visitar.

Saindo das burguerias e caindo em outra especialidade da Recife Moderna, os Crepes! Na postagem turística anterior eu falei de várias creperias, dessa vez eu fui duas vezes ao Maria de Millas, fica no charmoso bairro do Poço da Panela, uma região histórica e preservada do bairro de Casa Forte. O ambiente do local está de acordo com o bairro (chic, tradicional e com toque de charme decadente) e o público é formado em sua maioria por casais de 25-95 anos. O preço não é baixo, mesmo assim acaba saindo mais barato que um bistrô tradicional, vale muito a pena conhecer. As fotos dos pratos não ficaram muito boas, pois a iluminação é propositalmente baixa, mas o recheio sempre conta com queijos importados e especiarias delicadas. Fotos do salão principal e de um Crepe de Cartola (banana, queijo manteiga, canela e açúcar).

Agora vamos passando pelos japoneses, aqui estou colocando fotos de lugares que citei na minha última postagem, mas não pude fotografar daquela vez. Quando se fala em temakeria, penso em duas, Nori e Yume. A primeira não pude postar fotos (pois infelizmente não fui), mas garanto que é excelente.
A Yume (fotos abaixo) fica ao lado do prédio onde morava, ela trabalha com ótimos ingredientes e é uma marravilha! Boa para a madrugada e para o “pré” balada ou mesmo uma passada rápida com os amigos ou a patroa depois de um cinema.

Como falei da última vez, o Shopping Recife conta com excelentes restaurantes. O Sushimi é muito especial, pois mesmo estando na barulhenta praça de alimentação, ele conta com um ambiente interno muito aconchegante, peixes fresquíssimos e excelentes sushimans (Existe plural de sushiman?!). Foto do Sunomono completo e do ambiente simpático.

E a estrela dos japoneses, o TheBest of Recife… O tradicional Quina do Futuro. O preço é mais salgado que shoyu barato, mas vale cada centavo. O melhor ambiente, profissionais, matéria prima e tudo de excelência que pode existir na face terrestre. Sentar no balcão, junto aos aquários e ver 2 asiáticos trabalhando com precisão cirúrgica, enquanto organizam os varais com pedidos e gritam um com o outro, não tem preço, principalmente se acompanhado de uma comida perfeita! Imagens do ambiente, balcão, aquário, sunomono completo (com um molho da casa) e uramakis de salmão philadelphia.

Vamos continuar nos peixes, mas agora um pouco mais cozidos. Na última vez eu postei umas fotos das peixadas do meu pai e do peixe frito em Porto de Galinhas. Estou repetindo a dose dessa vez. Segue aqui uma sinfonia marítima do meu pai, ficou muito boa, a foto já diz tudo… E esse pirão então, divino!

E aqui o peixe frito em Porto de Galinhas, com saladinha e mandioca frita. Escolhemos o peixe fresquíssimo e 1h depois ele está na mesa.

De sobremesa, um sorvete classe F, com gosto de nostalgia…

Mas não se esqueçam, em Porto também podemos consumir os ensopados de Aratu, Carangueijo ou Sururu (Aratu é meu favorito). São vendidos em carrinhos quadrados brancos, guiados por umas 10 senhoras negras e gordas (todas da mesma família, fazem isso há uns 20 ou 30 anos!), infelizmente não tirei foto, porque comi e nem lembrei dos outros, aquilo é o néctar dos Deuses!!! IMPERDÍVEL!
Falando nas coisas imperdíveis de Porto, comam o queijo-de-coalho na brasa:

Comam também alimentos (guloseimas) que podem não pertencer a “alta gastronomia”, mas são coisas que tendem a desaparecer em 10 anos, como as raspadinhas de gelo e xarope e vodka.

Falando em coisas regionais, não posso esquecer da famosa Carne de Sol! Minha última receita do Blog foi uma carne de sol acebolada e modéstia a parte, deliciosa. Expliquei o passo a passo da receita e parte da história dessa comida. Porém existem lugares que servem uma carne de sol bem melhor que a minha (eles são profissas!), bons restaurantes regionais que atraem famílias pernambucanas e turistas de todo o mundo. Fui conhecer o famoso Tio Pepe, antigo restaurante (quase 50 anos) que foi aberto por um espanhol conhecido como (adivinhem?) Pepe. Os preços são salgadinhos, mas como todo bom restaurante, justo pela qualidade que serve. Deliciem-se com as fotos da comida e do local (decoração curiosa):

As sobremesas não ficam de fora da postagem. O Dalena (que postei da última vez) continua em meu coração (e estômago), sempre a melhor pedida para comer um salgado leve, um café e uma bela fatia de Torta de Damasco no capricho: (reparem na umidade dessa torta)

E como falei em café, não poderia me esquecer da melhor cafeteria da cidade, a Castigliani. Fica na Fundaj (Fundação Joaquim Nabuco), com um cinema em anexo que passam filmes para pessoas inteligentes e alternativas fora do circuito comercial. Provavelmente é o único lugar onde podemos tomar um cappuccino de verdade, feito com bom espresso, leite integral vaporizado bem cremoso e sem chocolate, canela e outras coisas do tipo. O ambiente e a vista são um show:

Outra coisa que me faz falta em Curitiba, são as casas de Açaí. Mesmo existindo poucas em Recife, a melhor que conheço (e acho que já fui em todas) chama-se Point do Açaí. Fica na Zona Norte, longe do mar e praia, mas a qualidade da tigela é impecável! Textura, sabor e cor. Se não me engano, é uma empresa de Belém, isso deve ajudar muito!

Se você busca sofisticação, vá ao La Cuisine. Um dos únicos restaurantes na beira-mar de Boa Viagem, com comida contemporânea de tendências francesas, italianas e mediterrâneas em geral. O preço não é alto e os pratos muito bem servidos, mas evite o couvert (R$19,90 por pessoa) que acaba saindo mais caro que a comida. O ambiente é lindo, bacana para ir de casal:


Um local não tão gastronômico, mas que vale a pena ir, é o Paço Alfandega e a Livraria Cultura. O Paço é um pequeno shopping sofisticado, com lojinhas, restaurantes e cafés que vão do luxo-bom ao luxo-lixo, voltado mais para turistas. O mais legal é a livraria em anexo, a maior do nordeste, com milhares de exemplares de tudo o que você quiser ler, entrar e não levar nada é uma tortura! Com um pequeno café dentro que serve um bom espresso e um ótimo chocolate (o cappuccino deixa a desejar). Mas abra o olho, dentro da livraria o café vale a pena, porém fique longe dos cafés de dentro do Shopping Paço, que apesar de lotados, são péssimos. (recomendo curtir um pôr-do-sol no terraço do shopping, alternando com os livros e cafés/chocolates)

Para encerrar com chave de gold, falarei do lugar que mais fui nessa viagem, o Bar Central. Funciona como restaurante de dia e bar pela noite, tem público variado, geralmente formado por alternativos de todas as tribos, desde os professores e artistas mais almofadinhas aos estudantes e desocupados mais hippies. As comidas são caras mas excelentes, com opções sem amor, sem vida, sem saúde, sem sabor, vegetarianas e todas aqueles clássicos petiscos de bar, em versões frescurentas gourmet. Vale a pena uma visita com os amigos, a parte de fora é mais “largada” e por dentro é mais sofisticado, com boa música, ar condicionado geladinho e outros mimos:

Encerro por aqui, espero ir para mais lugares na próxima viagem, seja para Pernambuco ou qualquer canto da Galáxia. Caso vá para esse mesmo destino, me cobrem para ir ao Alto da Sé em Olinda comer tapioca, ao Dom Francesco Trattoria e o Restaurante do Leite, mais antigo em funcionamento do Brasil.
Recife está se tornando um dos maiores pólos gastronômicos do País, mas não só de boas praias e comidas vive o turismo/lazer dessa cidade, procure dar um passeio no Instituto Ricardo Brennand e Oficina Francisco Brennand, são Museus particulares de um artista plástico e empresário bilionário pernambucano que gosta de investir em cultura, construindo museus e financiando artistas e cientistas, tem entrada livre (ingresso R$ 15,00  normal e R$ 5,00 estudante), tirei umas 1200 fotos, mas como o Blog é de comida e não de arte, aqui ficam algumas fotos do Instituto, que tinha exposição de Michelangelo, Museu inglês de cera e acervo permanente de obras e armas do próprio museu.







Links dos lugares:
-Temakeria Yume: http://www.yumetemakeria.com.br/

-Restaurante Quina do Futuro: http://www.quinadofuturo.com.br/

-Bar Central: Rua Mamede Simões, 144 – Tel (81) 3222-7622
-Tio Pepe: http://www.tiopepe.com.br/

-Confeitaria Dalena: http://www.dalena.com.br/

-Maria de Millas: Estrada Real do Poço, 558. Telefone: (81)3269-3957
-PinUp Burgueria:
Avenida Herculano Bandeira, 692
(0xx)81 3466-0001
-La Cuisine: http://www.lacuisine.com.br/

Instituto Ricardo Brennand: http://www.institutoricardobrennand.org.br/

Carne de Sol

Eu sei, eu sei… mereço todas as pragas da humanidade, abandonei meus lindos e fiéis leitores e desde que fui para Curitiba isso anda mais abandonado que patrimônio histórico brasileiro.
Pois então, minhas operações com a Leão do Norte começaram, tenho tido mais trabalho do que vendas e isso tem me chateado muito, mas por mais forte que seja, nenhuma tempestade é eterna e por isso já tenho meus planos B, C e D…
Larguei tudo em Curitiba e vim passar uns 20 dias em Recife, resolver umas pendencias chatas de família e volto só no comecinho de Agosto. Por essa cidade tenho tirado litros de fotos e ido aos velhos restaurantes que costumava ir, falta dinheiro para ir a todos que quero, mas tenho me virado muito bem.
Uma das coisas que mais me faz falta em Curitiba é a tal da Carne de Sol. Ao contrário do que todos pensam, carne de sol não é carne seca, jabá ou charque, ela é bem diferente em todos os sentidos. Enquanto a tradicional carne seca (aquela bem salgada de coloração avermelhada) é desidratada e salgada com sal grosso de uma forma intensa, passando por vários processos que podem durar semanas ou meses (40%-45% de umidade, 12%-15% de sal), a carne de sol é mais úmida e suave, seu processo leva poucas horas e menos sal, as mantas de carne (bovina ou caprina) são colocadas sob lonas suspensas e ventiladas por uma brisa fresca e seca do sertão (por isso só existem no nordeste ou SP/RJ por “importação”), dando sabor e textura exclusivos, mais úmido e menos salgado (64%-70% umidade e 5%-6% sal) que a charque tradicional.
Recomendo comprar em lugares mais simples e diretos, como feiras no interior ou em mercados públicos, porque além de mais barato (entre R$ 15 e R$ 20 o Kg), a qualidade nesses lugares é infinitamente melhor que nos supermercados comuns, que vendem por cerca de 10% a 30% mais caro uma carne de qualidade bem inferior. Inclusive minha última receita de carne de sol aqui do blog alguns anos atrás, foi com carne de sol do supermercado, ela era tão dura e salgada que só deu para improvisar um picadinho.
Essa receita é bem bacana, mas não tem nada de especial, a intenção maior é mostrar como é o processo de preparo da carne, muito diferente dos outros tipos mais comuns.
PS. Não é uma receita light.



Ingredientes:

1,5kg de Carne de Sol magra.
04 Cebolas médias. (cortadas finamente)
01 Cenoura média (ralada)
01 litro de leite (semidesnatado)
02 colheres (sopa) de manteiga.
01 colher (sopa) de açúcar
Óleo e pimenta o quanto baste.

Modo de Preparo:
Frite a cebola com óleo e o açúcar, até caramelizar, adicione a cenoura e mexa por mais uns 2 minutinhos, reserve.
Na mesma frigideira, frite a carne DESSALGADA* aos poucos (de 3 em 3 bifes) e vá enfileirando em um refratário, depois de pronto, refrite a cebola na mesma frigideira e adicione a manteiga, cubra os bifes e leve ao forno alto por uns 15 minutos.

Dicas:
-*Para dessalgar a carne: Lave com água corrente, limpe tirando as gorduras, sebos e nervos, corte em bifes grossos (1,5cm aprox) e coloque em água fria abundante. Troque essa água 2 vezes em 30 minutos, ela servirá para tirar parte do sal e limpar a carne, adicione 1 litro de leite (usei semidesnatado porque tinham muitas caixas em casa, mas qualquer um serve) e deixe descansar por 1hora no mínimo. Jogue fora o leite, escorra o excesso e frite em um pouco de óleo bem quente, de preferência em um fogo bem alto e frigideira grossa.
– Para saber se o sal foi retirado da água, sempre frito antes um pedacinho menor da carne, ele deve estar insosso, pois os pedaços maiores terão o sal na medida perfeita.
– É apenas uma carne como qualquer outra, apenas mudam esses modos de dessalgar, use a criatividade na hora do preparo, manteiga e cebola são ótimas combinações. Um carne de sol de alcatra ou outra carne nobre, deve ser comido em bifes, já aquelas mais ordinárias e salgadas do supermercado, cortadas em cubinhos ou desfiadas.

– Se até em Recife tenho dificuldades em achar uma boa carne, não se iluda por outras cidades (fora do nordeste), com exceção de poucos fornecedores confiáveis no eixo RJ-SP, essa receita só é possível aqui pelas terras ensolaradas.
– Como acompanhamento usei arroz, feijão e uma saladinha de vinagrete, mas pode ser pão, macaxeira, purês variados, farofas, etc etc…

Comida Reciclada e Torradas de Brownie.

Quem nunca “reciclou” uma comida? Desde coisas simples como adicionar ingredientes ao miojo, usar sobras do almoço para fazer uma sopa no jantar, pegar os pães velhos e fazer torradas, das torradas fazer farinha de rosca e da farinha, um belo bolo! Assim por diante…

Acho isso tão importante na mesa do brasileiro! Pois além de compor no mínimo uns 10% das nossas refeições, segundo o ITC (Instituto Tadeo de Chutômetro), reciclar e reaproveitar comida de uma forma limpa e engenhosa, exige muita inteligência gastronômica, pois é preciso entender de tudo: proporções, processos químicos e físicos, harmonia, etc.
Vou exibir abaixo algumas dicas:

-Pão: Quando está duro, com 24 a 72 horas em saco de papel, passe rapidamente sob a água da torneira (menos de 1 segundo!), espalhe com as mãos a água sobre toda a superfície do pão e coloque em forno bem quente por uns 3 minutos. Pode parecer estranho molhar o pão, mas é uma “molhadinha de leve”, que atinge apenas a casca. Isso faz com que o vapor renove o pão, caso contrário (colocar o pão sem molhar), ele apenas desidrata e vira uma torrada, principalmente se o forno estiver baixo.

-Arroz: Não adianta colocar no fogo novamente, ele queima, debulha e às vezes nem esquenta uniformemente. Coloque em recipiente semi tampado no micro-ondas com um pouquinho de água ou em uma cuscuzeira. Em último caso, misture com ovo, temperos e farinha de rosca, frite como bolinhos! (existem milhares de receitas na internet)

-Carnes: No caso do boi, porco ou frango, tanto cozido como assado, dá para desfiar, refritar e fazer uma bela farofa no dia seguinte ou até mesmo um arroz “caipira”, que é de comer ajoelhado. Se for cozido, use o caldo para regar a farofa e deixá-la bem úmida e saborosa.

-Tomates: Depois que estragam, jogue fora. Mas caso tenha em excesso (além do que vai consumir), pode pulverizá-los ou fazer um molho e depois congelar. O tomate é uma das poucas verduras que não perde nutrientes quando cozidos, moídos, batidos, espancados, torturados ou processados.

-Bananas, abóbora e outros: Quando temos em excesso, coloque açúcar e manda pra panela, rendem ótimos doces! Alias, doce de abóbora com pouco açúcar e um toque de manjericão é antepasto de restaurante contemporâneo metido chic da Oscar Freire.

-Bolos e brownies: Motivo da criação dessa postagem! Fiz o teste de um brownie branco que não deu muito certo (ficou com gosto de ovo e farinha crua), por isso fracionei e coloquei em forno baixo por 30 minutos, desliguei o forno, virei as fatias e deixei lá no forno quente e desligado(por mais 30min) para desidratar. O mesmo pode ser feito com qualquer bolo, principalmente os mais “gordos”, como bolo de rolo ou outros que tenha muito óleo, manteiga, chocolate ou ovos, tanto quando eles não ficam muito bons (solados, com gosto estranho, desarmoniosos, secos, etc), como quando estão velhinhos. Todas as padarias de Recife fazem isso, o bolo não vende e vira deliciosas torradas! É perfeito com café!

Modéstia a parte, mas ficou tão gostoso que estou pensando seriamente em incluir na gama de produtos da empresa, torradas de chocolate branco e nozes! Seria o sucesso! Espero iniciar as atividades comerciais entre dia 05 e 12 de Maio aproximadamente, vou exibir alguns produtos, gostaria de contar com a participação dos leitores para escolher sabores, detalhes e até ter noção de preço, claro, também aceito receitas, principalmente as regionais, tradicionais ou de família!

Daqui pra frente as receitas tomarão um rumo mais trivial, ficarei um pouco fora dos bolos, biscoitos, salgadinhos e tortas, pois serão minha mercadoria e prefiro não exibir a receita aqui, mas estou engatilhando um vlog de cozinha trivial (só não comecei ainda, por causa de um maldito cartão de memória), ensinando as comidas básicas passo a passo, além de fazer uns pratos diferentes ou exóticos como o sunomono (que já fiz!) e o jap chae, uma espécie de yakisoba coreano delicioso! Acredito sinceramente que o blog melhorará, mesmo sem os tradicionais bolos (mas obviamente vou manter as receitas aqui já expostas), porém chegou a hora de darmos um voo mais alto e tenho certeza que todos sairão ganhando!

Torta de Limão

Docinho muito consumido em todo Brasil, a torta de limão é um prato interessante, pois harmoniza três texturas e sabores totalmente diferentes em uma única fatia. A base é crocante, amanteigada e levemente salgada, o recheio é um mousse denso e cremoso de sabor doce-azedo-cítrico e por cima um suspiro mole, extremamente leve, com fina camada crocante, de doce suave e aromatizado com a casca do limão. Ao contrário do que pregam, é sim difícil de fazer, pois se divide em várias fases que envolvem ponto correto de bater, assar e outras coisas que exigem o mínimo de prática. Olha aí, comida brasileira mais simples possível, mas ao mesmo tempo é uma sobremesa complexa e refinada, dá de dez a zero na maioria das falsas gororobas refinadas que vendem por aí! Com a mais absoluta certeza, servirei tal iguaria em meu café!
Ps. Esses pontinhos de caramelo por cima formaram-se sem querer, deixei a torta esfriando e quando voltei do curso, ela tinha feito essas bolinhas por cima!
Pss. Foi a primeira vez que fiz torta de limão, foi quase tudo OK, apenas deixei a massa um pouco grossa e sem sal, além de ter feito pouca neve para o suspiro, mas na receita que se segue abaixo, todos os erros foram corrigidos.
Psss. (Isso existe?) A foto ficou uma merda não ficou grandes coisas. =(

Ingredientes:
Para a Base:
02 xícaras de farinha de trigo.
100g de manteiga com sal
02 gemas de ovo
01 pitada de sal.
01 xícara de açúcar.

Para o recheio:
02 latas de leite condensado
05 limões (só caldo)
02 limões (só casca raspada)

Para a cobertura:
04 claras batidas em neve.
01 xícara de açúcar fino
03 limões (só a casca raspada)

Modo de preparo:
Bata todos os ingredientes da base e modele na sua fôrma, leve ao forno baixo para pré-assar por uns 10 ou 15 minutos. Enquanto a base assa, misture o leite condensado com os limões (caldo e raspa), usando uma batedeira. Retire a passe do forno e coloque o recheio. Faça a cobertura da seguinte maneira: Bata as claras até virarem uma neve bem firme e aos poucos (pode usar uma peneira) espalhe o açúcar e as raspas. Espalhe por cima da torta (se quiser, faça desenhos com a colher) e deixe no forno baixo (180°C) por cerca de 30 minutos ou até o suspiro ficar marrom claro. Deixe esfriar em cima da mesa por umas 4 horas e depois coloque na geladeira (coma no dia seguinte).

Dicas:
– Não preciso nem comentar que são 05 limões ao total, sendo primeiro raspados e depois espremidos, sua raspa dividida metade para o recheio e metade para cobertura. O mesmo vale para o ovo, mas sobrarão duas gemas que ficarão por sua imaginação.
– O açúcar fino pode ser o cristal batido no liquidificador e depois peneirado.
– Quem fizer em casa, me avise se ficou bom e se formaram as bolinhas de caramelo por cima.
– Não precisa untar a fôrma e atenção na hora de moldar, faça bolas e vá preenchendo o fundo e lateral, apertando e espalhando. OBVIAMENTE use fôrma de fundo removível!

Biscoito de Chocolate e Limão

A primeira receita pós-viagem. Como o mundo é engraçado, não é? Fiz essa receita para reproduzir uns biscoitos que comi no Santo Grão de São Paulo, mas no final, só consegui fazer a versão gostosa e correta de uns cookies que fiz há quase 01 ano atrás!
Era para ser biscoitinho de chocolate com limão… alias, é isso! Mas os biscoitos não ficaram parecidos com o que eu esperava, mas confesso que ficaram uma delícia, super crocante, de sabor suave e caseiro!
Receita simples mas trabalhosa, recomendo dedicar uma tarde livre!


Ingredientes:

– 02 xícaras de farinha de trigo.
– 01 e ½ xíc. de Aveia (flocos finos)
– 01 xíc. De Chocolate em pó.
– 01 xíc. De Açúcar (fino)
– 02 ovos.
– 100g de manteiga.
– 01 colher (chá) de fermento
– 01 limão (raspas da casca e todo o sumo)

Modo de preparo:
Misture todos os ingredientes, faça bolinhas como pequenos brigadeiros e amasse fazendo pequenos discos na fôrma. Deixe em forno mínimo (cerca de 120-150°C) por cerca de 1 hora.

Dicas:
– Unte a fôrma com óleo, apenas um fio basta.
– Faça biscoitos finos e pequenos, porque eles são bons quando bem durinhos e crocantes
– Se alguém quiser teste com 02 limões, porque 01 limão apenas SOME depois de assado (apesar de se destacar enquanto a massa está crua)
– A receita rende uns 100 biscoitos médios, talvez precise de duas ou três fornadas (lembra que eu falei de usar a tarde toda?)
– Pode até fazer biscoitos menores e vender, essa receita custa uns R$ 6,00 aproximadamente e rende até 250 biscoitinhos pequenos (para cafés). Uma boa embalagem e valor agregado, o cara consegue 300% sobre isso sem bronca.

Chipas

Cheguei de Curitiba há exatamente uma semana, 23:30 de terça (06/04/2010). A viagem foi ótima, comi muita coisa boa: doces, salgados e cafés. Sai com gente bacana, conheci lugares maravilhosos e até dei um pulinho de um dia em Florianópolis, onde comi uma comida mexicana divina!

Nesse final de semana, já em Recife, não perdi o ritmo, provei do Café Jacu (vide Google) e almocei em um restaurante coreano (farei receitas em breve!). Mas vamos à nossa bagagem… Conforme prometi, traria algo diferente para saborearmos.

Em Curitiba tenho uma grande amiga chamada Rosineide, conhecida como Tata, ela é secretária da minha tia há quase 10 anos e cuida daquela família como uma babá. Nascida no Paraguai e filha de brasileiros, sempre me conta das comidas de lá. Falou dos peixes cozidos, da macarronada verde e claro, das chipas! (fala-se tchipas) Mas o que são essas tais chipas? Existem dois tipos de chipas, a chipa e a chipa-guazú. Apesar do nome quase igual, são receitas extremamente diferentes, a primeira, “chipa” é uma rosca salgada, com uma massa que fica entre o pão de queijo e o biscoito de polvilho, sabor forte de queijo e um toque de erva doce. Ela é vendida em tabuleiros, carregado na cabeça dos vendedores que circulam em toda parte, desde movimentados ônibus urbanos até nas estradinhas da zona rural, custa o preço equivalente a dois pães e é comida principalmente na páscoa. A segunda, Chipa-guazú, é um bolo salgado de milho, com queijo e cebola. Hoje posto a primeira, ainda nessa semana posto a segunda.

Ingredientes:

500g de polvilho doce.

300g de queijo prato (corte em cubinhos)

¼ xícara de óleo

03 ovos

50g de manteiga

½ xícara de leite integral

01 colher (sopa) de fermento

Erva doce (uma colher de sopa)

Sal

Modo de preparo:

Miture os ingredientes molhados (leite, óleo, ovos, manteiga), adicione o polvilho, o queijo, o fermento, a erva doce e o sal. Bata bem. A massa ficará numa consistência bem diferente, entre líquida e pastosa, muito elástica. Faça roscas, bolinhas ou qualquer formato que quiser, coloque em forno médio pré-aquecido e deixe até dourar.

Dicas:

– É uma receita simples, não tenho muitas dicas. Apenas paciência na hora de moldar e unte a fôrma apenas com óleo. Repare que fiz roscas e bolinhas… mas viraram bolachões e bolinhas, com certeza fiz alguma coisa errada ou apenas minha prática que é zero.

– Confesso que as minhas chipas ficaram um pouco sem sal, mas não tem problema. Erva-doce casa muito bem com qualquer coisa defumada, elas ficaram perfeitas com mortadela defumada e/ou salame. Uma manteiga ou queijo também quebra o galho.