Pudim de Tapioca

Sim, joguem paus e pedras, abandonei vocês! Mas meus planos estão caminhando, com obstáculos, buracos, paus e pedras (aqueles que vocês podem jogar em mim!), mas indo e se definindo.
Andei numa vibe meio tapioca, aprendendo a fazer essa iguaria com as senhoras de Olinda, descobrindo sua história e utilidades, por isso trago a vocês uma receita muito simples e gostosa, o pudim de tapioca!(Também conhecido como bolo de tapioca em algumas regiões)

Ingredientes:
500g de farinha de tapioca*
01 litro de leite de coco.
300ml de leite integral.
02 xícaras de açúcar.
100g de coco ralado em flocos. (50% na receita e 50% para finalizar)
01 pitadinha mínima de cravo em pó.
01 lata de leite condensado. (para finalizar)

Modo de Preparo:
Coloque o leite de coco e o leite de vaca para ferver em uma panela grande, quando começar a ferver, adicione o açúcar, o cravo e metade do coco, mexa até dissolver e adicione a farinha. Abaixe o fogo e vá mexendo, a mistura engrossará gradualmente, vá provando e quando os grãos duros sumirem, desligue o fogo e coloque essa massa em uma fôrma de pudim (aquela furada) untada com um pouquinho de óleo (para facilitar na hora de desenformar). Deixe descansar por umas 2 horas e coloque na geladeira. Após desenformar (depois de gelado, geralmente no outro dia), derrame uma lata de leite condensado por cima, enfeite com o restante do coco ralado.

Dicas:
– *Farinha de Tapioca: Não me refiro à goma, me refiro a uma farinha dura e de granulação grossa, vendida em saquinhos de 500g. Nesse caso comprei da Yoki, com o nome comercial de “TAPIOCA” apenas.
– Usei coco ralado queimado, para dar uma cor ao pudim.
– Cuidado com a pitada de cravo, ela é mínima mesmo! Se não tiver em pó, coloque umas 05 florzinhas de cravo enquanto o leite ferve, mas tire antes de colocar a farinha (morder cravos não é legal). Acho esse detalhe importante, porque diferencia sua receita e dá um sabor daqueles beijinhos de festa.
– É uma receita muito simples e fácil. Mas é cansativo mexer a mistura quente e pesada por uns 15 minutos. Às vezes parece que os grãos da farinha nunca ficarão moles e a receita desandou, relaxe que dá tudo certo!
– Para untar a fôrma onde descansará o pudim, usei uma colher de sopa de óleo e espalhei utilizando meia folha de papel-toalha. Sem isso, o seu pudim pode grudar na hora de desenformar.

Chipa-guazú.

Conforme prometido, aqui está a outra “chipa”, que apesar do nome, é totalmente diferente da anterior. Também conhecida como “sopa paraguaia” no Mato Grosso do Sul (não me perguntem o porquê de chamarem isso de “sopa”), é um prato muito saboroso, um espécie de bolo de milho salgado, com queijo e cebola. Adorei! Fiz agora à noite e comi uma bela fatia, mas o gostoso será amanhã de manhã com cafezinho! Essas idéias paraguaias estão rendendo boas e diferentes receitas, em breve teremos a macarronada verde e o surubim cozido. Acho que o brasileiro deveria olhar mais para os seus vizinhos e também para o próprio interior, ficamos presos aos sabores europeus e de outros países ricos, esquecendo de nossas raízes e de nossos “hermanos”. Por exemplo, hoje o Peru é o país da gastronomia, a comida peruana será em cinco anos o que a japonesa foi há cinco anos (a moda!), assim como Bogotá é uma capital internacional da gastronomia, com bares e restaurantes de todos os tipos, onde surgem inovações que não existem em nenhum outro lugar. A riqueza está bem perto, só precisamos enxergá-la.

PS. Não posso deixar de agradecer infinitamente minha amiga Natália Carvalho, que me ajudou na preparação dessa receita, debulhando o milho e lavando a louça. Quer ajudante mais importante que essa? MUITÍSSIMO OBRIGADO!

Ingredientes:

01 kg de milho verde (aprox. 7 a 8 espigas)

½ xícara de leite

80g de manteiga

03 ovos.

500g de queijo minas meia-cura. (corte em cubinhos)

05 cebolas grandes. (picadas e caramelizadas)

Sal (aprox. 01 colher de sopa)

Modo de Preparo:

Bata no liquidificador: o milho, a manteiga, o leite, os ovos e metade da cebola caramelizada. Depois misture a massa (muito mole) ao queijo e o restante da cebola. Coloque em uma fôrma GRANDE untada e asse em forno pré-aquecido por 1 hora (forno baixo, menos de 200°C).

Dicas:

-Cebola caramelizada é aquela cebola bem fritinha, que fica marrom e adocicada.

– Use 2/3 do queijo para misturar e 1/3 salpique por cima.

– É importante assar em fôrma grande para poder ficar um bolo baixo, porque mais alto ele não cozinha.

Yakisoba

Pessoas leitoras de meu blog… Estou radiante, em algumas horas estarei embarcando para Curitiba e só volto em 12 dias (06 de abril), não sei se atualizarei meu blog lá, mas com certeza aprenderei coisas novas e trarei para vocês.

Segue abaixo uma receita curiosa, por ser uma comida deliciosa, colorida, barata e que dificilmente fica ruim, o yakisoba com certeza é o prato oriental mais popular no Brasil e em todo o ocidente. Sua história é engraçada, porque tem duas origens: a primeira está no Japão, pois yakisoba é o nome japonês que se dá para macarrão frito, que é um prato bem diferente do nosso. Outra nomenclatura é “Macarrão Shop Suey”, que traduzindo do chinês é “macarrão tudo misturado”, acredita-se que surgiu de sobras em restaurantes chineses nos EUA. Mas independente de sua história, quem não gosta desse prato deve ser muito fresco ou ter uma língua de lixa… Vamos à receita!

Ingredientes: (para 6 pessoas)

– 500g de macarrão udon

– 200 ml de óleo.

– 01 peito de frango sem pele (500g aprox., cortado em cubos)

– 500g de carne bovina mole (picada em tiras)

– 4 cebolas. (cortadas em forma chinesa, use a faca mesmo)

– 03 cenouras (cortadas finas, use o fatiador)

– 3 pimentões pequeno-médios (dois verdes e um vermelho, cortados em cubos)

– 01 acelga (picadas grosseiramente)

– Pimenta do reino (a gosto)

– Colher (café) de curry

– Colher (café) Ajinomoto

– Maisena (o quanto precisar)

– 10 ml de óleo de gergelim

– 200 ml – 300 ml de água

– 200 ml de Shoyu

– Sal

Modo de Preparo:

Em uma wok ou tacho coloque o óleo, deixe esquentar bastante e adicione a carne bovina, quando ela mudar de cor, adicione o frango, quando estiverem relativamente cozidos, adicione as cebolas e pimenta, deixe fritar. Assim que as cebolas ficarem translúcidas, adicione a cenoura, pimentão, curry, Ajinomoto e nesse momento coloque o macarrão para cozinhar em uma panela com água salgada fervendo (é quase tão rápido quanto miojo). Assim que as cores dos legumes ficarem mais intensas, adicione a acelga, o óleo de gergelim e 200 ml de água fervente, mexa e tampe por uns 2 minutos (até a acelga murchar). Quando tirar o macarrão do fogo, escorra e se necessário (achar que vai demorar mais de 2 minutos para colocá-lo no restante da receita), dê um banho de água fria da torneira para travar o cozimento. Adicione o macarrão, o shoyu e duas colheres de maisena (diluídas) assim que a acelga murchar, misture tudo, corrija o sal ou outro tempero que achar necessário e deixe até o caldo engrossar. Sirva quente, só presta para comer na hora.

Dicas:

– Macarrão Udon é barato, custa entre 3 e 6 reais 500g, dependendo sai até mais barato que lamen. Não é difícil de achar, qualquer mercadinho japonês ou em grandes redes têm.

– Evite usar lamen, miojo ou semelhantes, mas se não tiver outra maneira, faça a receita exatamente como descrevi, porém, todos os ingredientes devem ser despejados SOBRE o macarrão, porque o lamen se despedaçaria ao ser misturado.

– Não se assuste com a quantidade de óleo, comida chinesa é assim mesmo, o yakisoba não brilha a toa.

– Use o fogo mais alto de sua casa, panela bem quente é essencial para a receita.

– Pode substituir muitos ingredientes, vai do gosto do freguês, por exemplo: Acelga pode ser substituída por repolho, algumas pessoas gostam de vagem e outras de champignon (eu gosto, mas não tinha em casa).

– Na verdade nenhuma medida precisa ou deve ser seguida, a receita é longa e talvez trabalhosa, mas não tem mistério. Use os ingredientes na ordem certa: óleo-boi-frango-cebola-legumes-macarrão-caldo.

– Óleo de gergelim é essencial, muito aromático! Pode usar até mais se quiser, uns 20 ml. Economizei porque foi a primeira vez que trabalhei com ele.

– Yakisoba é muito pessoal, cada um faz da sua forma.

Bolo Baton

Bolo Baton? Sim!!! BOLO BATON! Sabem aquele chocolate vagabundo, antigo e clássico da Garoto? Ele mermo!!!

Em vez de fazer um bolinho de chocolate sem graça, resolvi descer até a padaria, comprar 05 reais de chocolate e colocar pedacinhos no bolo. Ficou uma belezura, a maciez e suavidade da massa com pedaços pesados e doces de chocolate, DILIÇA!

Mais uma vez não tive palestra à tarde, não achei ninguém para tomar um café comigo, então fiz esse bolinho e um chá mate para acompanhar.

Ingredientes:

03 xícaras de farinha de trigo (peneirada)

02 xícaras de açúcar

01 xícara de chocolate em pó

01 xícara de leite

04 ovos (separar gemas e claras em neve)

02 colheres de manteiga (colheres generosas)

01 colher de fermento (generosa também)

10 chocolates Baton picados

Modo de Preparo:

Bata o açúcar, leite, gemas, manteiga até formar uma pasta amarela, adicione a farinha e o chocolate em pó (ambos peneirados), bata até virar a massa, coloque o fermento, o chocolate picado e a clara e mexa com cuidado, de cima para baixo. Coloque em fôrma untada, no forno pré aquecido (220°C) e deixe assar por 20-30 minutos.

Dicas:

– É um bolo pouco doce, pode até dobrar a quantidade de açúcar sem medo, dependendo de sua infantilidade seu paladar.

– Minha manteiga tinha sal, caso a sua não tenha, coloque uma pitada.

– Chocolate em pó não é Nescau!

– Coloque em fôrminhas e podem virar deliciosos muffins!

Pão Caseiro

Conforme prometido, estou postando mais aqui no blog. Esses dias assisti ao programa “Diário de Olivier” no canal GNT, Olivier Anquier é um cozinheiro francês, que mora no Brasil há anos e é ex marido da Débora Bloch. Ele fazia brioches em sua linda cozinha pseudo-rústica e me inspirei a fazer pães também… Primeiramente pensei em fazer brioches, mas como era muito complexo (na TV tudo é mais fácil), achei melhor tentar pães doces, mas enquanto pesquisava uma boa receita, deu vontade de comer um pão caseiro quente com manteiga, queijo, presunto e claro, café! Hahahahaha.

Lá vai o gordo Tadeo fazendo seu primeiro pão caseiro, como não conseguia padronizar o tamanho e formato, resolvi fazer cada um de um tamanho e estilo, malandro safado charlatão enrolão embusteiro esperto, né?

Por incrível que pareça, os pães ficaram saborosos e macios, minha casa passou a tarde toda com cheiro de padaria. Nada mal para um virgem a primeira vez!

Ingredientes:

01 kg de farinha

01 xíc óleo

01 xíc leite

01 xíc açúcar

04 ovos

10g fermento biológico em pó (ou 45-60g de fermento fresco)

01 colher de sopa de sal.

Modo de preparo:

Bata todos os ingredientes (menos a farinha), deixando o fermento por último. Coloque toda a farinha sobre o balcão e faça um “vulcão”, despejando o conteúdo no meio (cuidado, isso é para quem tem experiência, peça ajuda ao papai e à mamãe, vide dicas*). Aí é muque de padeiro, vá amassando, amassando, amassando, deixa o suor dar um tempero especial, quando ela começar a grudar na pedra da mesa, coloque mais farinha e continue amassando. A massa ficará lisa e homogênea, você dará um tapa e parecerá a bunda do seu melhor amigo barriga do seu avô. Deixe descansar por 30-45min em uma tigela grande, com um pano de prato por cima. Depois que ela descansou e cresceu, retire-a da tigela e divida em 05 ou 10 pedaços, dependendo do tamanho do pão, faça pranchas ou esteiras e enrole, deixando no formato de pãezinhos, croissants ou o que sua imaginação suja fértil mandar. Depois só untar uma fôrma com manteiga e farinha e deixe assar em forno médio (220°C) pré aquecido, até dourar.

Dicas:

– Veja o modo de preparo no youtube, recomendo também o site do próprio Olivier Anquier www.olivieranquier.com.br

– O fermento biológico em pó deve ser estimulado antes de entrar na receita, pegue um dedo de leite morno e dissolva um envelope nele, mexa por alguns minutos, até virar um caldo marrom de cheiro fermentado.

– Na hora do vulcão, fiz um método para principiantes como nós. Coloquei ¼ da farinha no liquido, enquanto batia. Assim o caldo ficou mais grosso e fácil de trabalhar quando colocado sobre a farinha.

– Quando for moldar os pães, use a criatividade. Pode rechear com queijos, embutidos, doces e até usar manteiga para folhear. Também pode cobri-los com alguma coisa, no meu caso, pincelei com um ovo por cima, mas podem além de usar ovo, colocar orégano, queijo ralado ou gergelim.

Pudim de café.

Olá pessoas!

Por favor, me desculpem por esse sumiço! Passei por uma fase conturbada de minha vida, me demiti da empresa da família, fiz vários cursos no SEBRAE e há quase duas semana me tornei o mais jovem gerente da lanchonete Bob´s. Isso tudo em quarenta dias! Hahahahahaha!

É a vida, sempre tomando rumos inesperados. Essa hora tinha que chegar e eu precisava MUITO bater minhas asas fora do ninho. Agora saio de casa às 7:20 e volto às 17:00, todos os dias, menos terça e quinta, quando tenho inglês e chego só às 21:00. É todo santo dia, porque em minha folga vou para a pós-graduação no mesmo horário(8:00-18:00). Enfim, estou esgotado fisicamente e mentalmente, mas estou feliz, quem quer ficar rico precisa suar sangue e comer muita grama para aprender a ser alguém!

A receita que postarei é um clássico personalizado. Pudim de café. Gosto de pudim e amo café, por que não juntar os dois? Fez muito sucesso na turma da pós graduação e aqui em casa voou rapidex. Não fica um sabor notável do café, ele apenas acentua as notas amargas da sobremesa, é excelente por deixar o pudim menos enjoado e com um toque diferenciado

Ingredientes:

-03 ovos.

-01 lata de leite condensado.

-01 lata de leite integral (use a mesma lata do leite condensado).

-01 xícara de café bem forte (cerca de meia lata do leite condensado).

-½ xícara de açúcar. (p/ calda)

Modo de Preparo:

Bata tudo no liquidificador, menos o açúcar.

Para a calda, derreta o açúcar e faça um caramelo, despeje no fundo da fôrma furada de pudim. Adicione a mistura batida, cubra com papel metálico e coloque para assar em banho-maria (forno baixo 180°-200°C pré-aquecido). Aproximadamente 01h depois fica pronto! Espere uns 40 minutos, até esfriar e desenforme.