Geleia de Morango

Coisa mais estranha essa… As regras gramaticais mudaram e algumas palavras perderam acento, Geleia, entre elas! Mas vamos lá!
O morango é uma fruta atípica, pois suas “sementes”, além de ficarem do lado de fora, não são sementes mesmo, são aquênios, microfrutas secas, como as sementes de girassol ou trigo sarraceno.
Os morangos são resistentes e adaptáveis, pois crescem da mesma forma na Finlândia ou no nordeste brasileiro, porém foram domesticados há 300 anos na Europa, inclusive as espécies americanas (maiores). Normalmente aquela que comemos é um cruzamento entre espécies originárias dos EUA e do Chile, denominada Fragaria x ananassa, o “x” por ser um cruzamento (entre a F. Virginiana e F. Chilonesis) e “ananassa” pelas notas de sabor e aroma que lembram abacaxí.
Em inglês, chamamos essa fruta de Strawberry, a palavra Berry vem de uma raiz que significa “brilhar” e Straw, que significa palha, vem da origem da palavra “espalhar”, como o morango tem o hábito de nascer se espalhando pelo campo, virou “Strawberry”. (E sim, eu copiei isso de um livro!)
Mesmo com essa história toda, infelizmente o brasileiro (e provavelmente a maior parte do mundo) come montanhas de agrotóxico em seus moranguinhos lindos, que também na maioria das vezes é azedo ao extremo.
Há alguns meses fui à uma produção orgânica de morangos em Colombo (Região Metropolitana de Curitiba), eles eram menores, rubros e mui doces, nunca tinha comido nada igual, pareciam jujubas! Mas para essa receita usei os tradicionais mesmo, cheios de veneno com procedência desconhecida e sem esse dulçor todo.

 Imagem

Ingredientes:
01kg de morangos maduros limpos.
300G de açúcar cristal.
02 limões. (só sumo)

Modo de Preparo:
Limpe os morangos, lavando-os em água corrente, tirando talos, machucados, etc. Deixe de molho em água por meia hora.
Coloque em uma panela (preferência fundo grosso) os morangos, o açúcar e o sumo dos limões, deixe em fogo baixo e mexa o mínimo necessário para manter a forma dos morangos.
Vai criar água e deixe cozinhando até achar que é o melhor ponto, cerca de 40-80min, dependendo do seu gosto, panela, qualidade de morango, lua cheia ou pressão atmosférica.

Dicas:
– Algumas pessoas usam mais ou menos açúcar, remendo nunca passar de 500g para 1kg de morangos. Os diabéticos usam até mesmo adoçante culinário, mas eu desconheço a proporção nesse caso.
– Para ter 01kg de morangos limpos, compre de 1,2kg a 1,5kg, depende da qualidade, já que é exigido um morango maduro, os caras “escondem” bem os machucados nas bandejinhas.
– Pode ser armazenado em pote de conserva esterilizado. Basta ferver os potes por alguns minutos em água abundante, retira-los com uma pinça e deixar secar sobre um pano ou papel. Dura semanas na geladeira.

Published in: Sem categoria on 06/08/2012 at 00:23  Comments (2)  
Tags: , , , , , , , , , ,

Patê de Truta Defumada

Há alguns dias fui na casa de minha antiga chefe, depois de boas conversas, cafés e bolos, começamos a revirar arrumar sua cozinha, mui cheia de tudo e um pouco desorganizada devido ao corre-corre e a quantidade-variedade de insumos ali presentes. Me deparei com uma coisa feia estranha assustadora exótica, um peixe marrom fechado a vácuo, se tratava de uma truta defumada e com validade na iminência de vencer. Minha chefe iria viajar e passar alguns dias foras, por isso a truta venceria antes que ela voltasse… resultado: Ganhei uma truta defumada!!!
E agora, o que fazer? Seguindo sugestão da presenteadora, bastava limpa-la (tirar peles e espinhas) e fazer um patê simples, como se faz com atum ou sardinha enlatados.
Foi preciso coragem para abrir o pacote, o bicho é feio e oleoso mesmo, nunca tinha manipulado algo desse tipo, mas depois fui tirando a pele (fininha), as espinhas mais grossas e depois tirando as mais finas e cartilaginosas (que podem ser comidas sem preocupação e até sem percepção).

A receita segue abaixo e na hora de comer, decidi liberar o lado saudável da força e acompanhar a iguaria com pão ciabatta e uma saladinha de tomate-alface. O foco dessa postagem é o ingrediente e como é possível surpreender usando de uma receita absurdamente simples. (CLIQUE NA IMAGEM, esse atual editor tem postado a foto como entende, elas estão saindo em HD, mas cortadas pela metade)

Imagem

Imagem

Ingredientes:
01 truta defumada.
01-02 colheres de cream cheese.
02-03 colheres de azeite.
½ cebola pequena bem picadinha.
01 limão.
Pimenta do reino a gosto.

Modo de preparo:

Limpe a truta, tirando a pele e as espinhas, esmigalhe em um prato (retirando mais espinhas), adicione os outros ingredientes de acordo com seu gosto, para umedecer e suavizar o sal-sabor forte do peixe (mas sem apaga-lo, claro!). Depois de bem misturado, coma com pão, torradas, bolacha, salada ou o que bem entender.

Dicas:
– Essa truta foi um presente, não sei exatamente o quanto custa, mas acredito que seja algo entre 8 e 15 reais.
– Existe também o filé defumado, deve ser mais caro, mas talvez compense pela facilidade de manipulação.
– Os ingredientes podem ser substituídos por aqueles que você costuma usar em patês, em vez do limão e cream cheese, poderia usar coalhada seca ou iogurte. Só não recomendo maionese, pois ao contrário do atum em água, esse insumo é muito salgado-forte, a maionese só acentuaria isso, pois também é salgada.

Bolo de Cenoura, Beterraba e Mexerica

Acalmem-se! Não virei natureba e nem entrei de dieta, deusmilivri isso!
Estava meio desocupado e resolvi provar algo novo. Sempre achei a cenoura e a beterraba parecidas, sim sim, apesar da cor, formato e sabor, são duas leguminosas que crescem sob a terra, tem uma quantidade de água parecida e a base de seus sabores se assemelham  (Beterraba pouco mais doce, claro), suas textura, além do tempo de cozimento parecido.
Mas e a mexerica? Tenho um segredinho que aprendi com minha chefe, ela usa suco de laranja no bolo de cenoura (ajuda na hora de triturar), eu não tinha laranjas, então usei as mexericas da minha mãe. (Ela vai me matar quando descobrir!)

Mas o problema é: eu quis colocar a beterraba por causa da cor! Se bolo de cenoura é amarelinho lindo, com beterraba iria ficar vermelhão ou no mínimo, muito alaranjado. Mas a química tinha uma surpresa e o bolo fico… VERDE! Nem era um verde bonito, era um verde sem vida. (Se alguém souber explicar porquê isso aconteceu, fico grato!)

E o sabor? Esse sim, ficou excelente! A mexerica aromatizou muito, a beterraba deu um toque leguminoso-terroso no retrogosto, a mesma sensação que um bom bolo de cenoura traz, porém mais acentuado.
Valeu a pena testar essa receitinha maluca, farei mais vezes!

Ingredientes:
02 ½ xíc farinha trigo
02 xic açúcar
½ xic óleo (canola)
04 ovos (separar clara e gema)
01 colher fermento químico.
01 cenoura média-grande.
01 beterraba média-grande
03 mexerica (só o suco, claro!)

Modo de Preparo:
Bata no liquidificador a cenoura, beterraba, suco das mexericas, gema dos ovos e o óleo. Bata na batedeira essa “vitamina” com a farinha, fermento e açúcar, por último adicione as claras em neve. Coloque em uma fôrma untada (margarina e farinha) ou fôrminhas de cupcakes e leve ao forno médio até ficar bem escuro por cima. (Cerca de 30min).

Dicas:
– Faça um bolo baixo ou vários pequenos, ou os dois. (eu fiz os dois e o bolão ficou mais gostoso que esses pequeninos da foto, hehehehe)
– Pode usar uma cobertura de chocolate como o de cenoura, eu não tinha chocolate para derreter e usei essas bolinhas que quebram um bom galho.
– No bolão eu untei a fôrma com margarina e açúcar, ficou muito bom!

Torta de Amora

Estou em uma fase muito inspirada, além dessa postagem que segue, estou com outras no forno para ir postando aos poucos.
Há alguns dias ouvi uma música muito curiosa: era uma garota bonita cantando no sofá, falava sobre um rapaz (namorado) que ia embora e por isso ela se jogava do alto do prédio e morria em cima dele, que seria romântico ir para o necrotério juntos e coisas do tipo, mas ao final era apenas sua imaginação e ela achou melhor devorar uma torta de amoras para passar o drama. (Curioso, né? Mas vejam que bonitinho ela cantando no link ao fim da postagem, confesso que achei genial!)
Isso me deu um estalo. Será mesmo que tortas de amoras são tão boas assim? Então comecei a pesquisar sobre o tema, pensei em tortas folhadas com recheio de geléia e em tortas tipo american pie, com a fruta quente dentro da massa amanteigada. Mas depois de muito pensar e analisar, conversei com minha chefe e chegamos a conclusão que devido a acidez acentuada da fruta, poderiamos tentar fazer uma coisa como torta de limão, com a base amanteigada, recheio doce e cobertura de frutas puras, mais azedinho.
Marquei de ir na casa da chefe e levar as amoras, lá ela teria todos os outros ingredientes. Quando bati à porta, senti um bom cheiro de biscoitos e descobri que a cidadã já estava assando a base (sem mim, traidora!), decidimos triturar metade das frutinhas para o recheio e usar o restante para decorar.
As cores ficaram absurdamente lindas e o sabor não preciso falar muito, hehehe! Mas eu faria diferente na próxima vez, dividindo a torta em umas 6 forminhas menores, porque o recheio ficou muito mole e dificil porcionar as fatias.
Traduzindo: Ela se derrete ao ser cortada.
Vocês ficarão bobos de saber como é fácil!
(Clique na foto para ficar de tamanho gigante)



Ingredientes:
600g de amoras frescas.
01 lata de leite condensado
100g de farinha de trigo
100g de manteiga com sal
80g de açúcar refinado
Modo de Preparo:
Para a base, misture (à mão) a farinha, manteiga e açúcar, até formar uma massa lisa, forre o fundo e lateral da(s) fôrma(s) e asse até dourar levemente.
Bata metade das amoras com leite condensado, depois recheie a torta, decore com o restante e leve à geladeira (não precisa assar o recheio).
Deixe resfriando por umas 6 horas e pode servir.

Dicas:
– Cuidado ao assar a base, ela assa rápido e como nos distraímos, ela queimou nas bordas. (Dá pra ver claramente nas fotos)
– É muito importante que sejam amoras frescas e não congeladas.

Link da Música: