Costelinha de Porco

Quem não curte uma costela suína assadinha?
É um prato muito fácil de fazer, é relativamente rápido e “limpo” também. Não tenho muito o que falar sobre isso, só sei que cada pessoa faz seu próprio tempero e deixo aqui embaixo o registro do meu.

Imagem

Ingredientes:
600g-01kg de costelinha
01 Limão
03 colheres Shoyu
Sal e Pimenta do Reino (QB)
01 colher Açúcar
15-25 Mini Cebolas.
Cebolinha.
01 colher Azeite.

Modo de preparo.
Ferva meio litro d’água, desligue e deixe as cebolas (descascadas) “boiando” na água quente por 5 minutos, escorra a água, corte-as no meio “de comprido” e deixe de molho em uma mistura de shoyu (metade), azeite e açúcar. Reserve.
Tempere a carne com sal, pimenta do reino, limão e o restante do shoyu, coloque em uma fôrma pequena, cubra com papel alumínio e leve ao forno médio pré aquecido por cerca de 30min. Depois descubra o papel, coloque as cebolas, regue a carne com o molho destas e deixe “dourar” por cerca de 10 a 20 minutos, a depender do forno e do ponto desejado.
Quando estiver sequinho e mais escuro por cima, com as cebolas secando, regue com o próprio molho que se acumula no fundo (agora engrossado) e finalize com a cebolinha.

Dicas:
– Quando colocar no forno, já deixe a costela fatiada em 1 ou 2 ossos, ela inteira é meio tenso de cortar dentro da fôrma quente.
– Pode variar essa receita, colocando gengibre, alho e outras delícias, o sal e a pimenta do reino é por seu gosto, padrão, medida e responsabilidade.

Published in: Sem categoria on 01/10/2012 at 14:23  Deixe um comentário  
Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Creme de Abóbora

Se existe um blogueiro inútil, este sou eu!
Além de deixar esse lugar semiabandonado desde que virei cozinheiro, ainda posto uma receita de inverno pouco antes de começar o verão!
Parece uma brincadeira de mau gosto, não?
Claro que a maioria das pessoas preferem sopas durante o inverno, principalmente se for uma sopa ou creme gordo, com bons pedaços de carne, legumes pelantes e um caldo cheiroso, encorpado e cheio de sabor e sustança. Mas eu sou daqueles que não dispensa uma sopinha mesmo nos dias quentes, pois é algo leve e aconchegante para se comer à noite, principalmente quando se janta após 22:00.

Aprendi a fazer esse creme com minha chefe, que é servido durante as noites de inverno lá no restaurante, super simples de se fazer e dependendo de onde se arruma a abóbora, fica uma receita muito barata, considerando que alimenta algumas pessoas. Outra coisa boa dessa receita, é que apesar do bacon e do creme de leite, é muito delicado e suave, boa mesmo para consumir 1 ou 2 horas antes de se deitar.

Ingredientes:
– 01 Abóbora Cabotiá.
– 250ml de leite integral.
-350ml de água.
– 100g de bacon picado.
– 02 dentes de alho e/ou meia cebola pequena.
– Meia caixinha de creme de leite (100g)
– Sal e Pimenta do reino q.b.

Modo de Preparo.
Fatie a abóbora em 6 a 8 pedaços, coloque no forno por cerca de 1h a 2h, até ela ficar mole. Bata no liquidificador a “carne” da abóbora, água, leite, sal e pimenta. Em uma panela doure o alho, cebola e depois o bacon, adicione o caldo, deixe ferver por 20min, corrija o sal e finalize com o creme de leite (após desligar o fogo).

Dicas:
-Usei uma abóbora média-pequena para essa sopa, aumente as medidas de acordo com seu bom senso. (Essa servem 4 pratos ou duas pessoas esfomeadas)
– Quando assá-la, deixe a casca para baixo (tipo meia-lua) e o ponto “mole” não é derrentendo, serve apenas para perder aquela dureza.
–  “Carne” da abóbora significa ela sem casca, só isso! 🙂
– A cebola e o alho são opcionais, eu gosto dos dois. O mais importante é deixar o bacon bemmm frito, porque assim a gordura derreterá bem e não ficarão sebinhos horríveis no meio.
– Enquanto o caldo ferve, ele soltará uma espuma fina, retire isso para deixar a sopa mais bonita. (Não sei se isso altera o sabor).
– É muito importante finalizar com o creme de leite. Algumas pessoas usam queijo gorgonzola, mas cuidado com o sal!
– Pode misturar salsinha e cebolinha picadas, também melhor após desligado o fogo.
– Dá para fazer sem bacon, nunca testei, mas deve ficar tão bom quanto. (Os vegetarianos comemoram!)

Harmonização Musical:
Nunca mais tinha colocado músicas aqui, né?
Essa tem tudo a ver com uma boa sopinha de abóbora:

Leão do Norte Confeitaria

Finalmente, depois de meses de enrolação espera, a empresa saiu do papel!

Começamos nossas operações oficialmente hoje. O site ainda está incompleto, mas aos poucos vamos estruturando. Por enquanto usando as fotos do blog e com poucas opções, mas espero melhorar logo.

Não sei se vai dar certo, se vai crescer e tudo mais… mas se não quisesse correr riscos, iria fazer concurso público.

Comecei fazendo uma promoção de dia dos namorados, me preocupando mais com divulgação que com o lucro, vendendo quase a preço de custo.

É uma caixinha com 14 bombons, são: 6 Marias Bonitas, 4 trufas de maracujá com chocolate meio-amargo e 4 de frutas vermelhas com chocolate branco. Tudo isso por apenas 10 reais! É preço de PeixeUrbano LiquidaçãoLouca que dá até para revender!

Confesso que ficaram bem gostosas e relativamente bonitas. Nada mal para uma “primeira safra”. Tive meus contratempos, perdi uns materiais por errar na quantidade de creme de leite e outras chatices, mas agora já descobri as proporções exatas.

É um momento de incertezas e de muito trabalho. Para fazer 10 caixas, gastei cerca de 8 horas (intercaladas, pois doce sempre precisa de descansos e coisas desse tipo), fiquei com muita dor nas costas, mas tá aí o resultado:

60 Marias Bonitas, 80 trufas e 10 caixinhas:

Eram 100 caixinhas, já vendi 25… Aproveitem enquanto é tempo!

Aviso que quando eu ficar famoso, vou idolatrar quem me ajudou e cuspir na cara de quem me desprezou! Muhuahuahuahuahuahuahuahuahuahua!!! (risada maléfica)

Além disso, estou ensaiando o tão aclamado Vlog, que terá o mesmo nome que esse blog, Tanamesapessoal. Onde farei receitas triviais (arroz, feijão, bife, ovo, bolo, etc), explicar passo-a-passo em vídeo o preparo daqueles pratos que comemos todos os dias e quase ninguém sabe realmente fazer.

Abraços, conto com vocês nesses momentos de suor. Afinal de contas, até a maior das arvores já foi uma sementinha e precisou de apoio para ser o que é.

Site Leão do Norte:

http://www.leaodonorteconfeitaria.com

Quem é de Curitiba, ligue para pedir 41-96851823 (ligue TIM grátis ou pode dar um toque de fixo que eu retorno)

Peixada de Pascoa

Eu adoro a Páscoa! Não sou cristão e não sou chocólatra, mas algumas datas têm uma magia. Me lembro da Páscoa de 2007, quando fui para Gravatá (Região serrana do Agreste pernambucano, 85km de Recife). A estrada estava linda, tinha chovido há pouco e a paisagem (estrada e plantas) estavam com aquele aspecto “molhado-e-secando-ao-sol”. Nessa época acontece um fenômeno interessante na região, aparecem milhões de borboletas amarelas por todo lado, são de um amarelo claro e intenso, a estrada fica cheia de borboletas mortas, que se parecem folhas de outono e o para-brisa fica todo “pintado” (sim, muito trágico, mas estranhamente lindo). É quando se iniciam as chuvas e os festejos ligados ao interior no Estado de Pernambuco, as praias ficam vazias e os chalés das cidades serranas se enchem. É a hora de comidas típicas a base de milho, danças, cores e outras mil e uma coisinhas que antecedem o São João e durarão atéééé 07 de Setembro, primeiro feriado de “verão”, onde reinicia a temporada de sol e praia.

Como sou pobre e moro sozinho, segui meu próprio conselho do último post e reciclei a peixada que fiz na sexta-feira santa!

Só para explicar… A foto abaixo é de um cuscuz com o molho da peixada reduzido. Quer dizer, sobrou metade da peixada que fiz ontem, reservei um filé de peixe, umas mini cenouras e joguei fora das batatas (batata requentada é horrível!), reduzi o molho pela metade (1h no fogo baixo) com um pedaço de peixe debulhado e os pedacinhos de legumes (que sumiram!), o caldo ficou grosso e de sabor muito intenso. Restando uns 5minutos, coloquei o filé peixe e as cenouras (aqueles que reservei no começo) apenas para esquentar naquele molho. Ficou muito gostoso, confesso que até melhor que a peixada! Esse molho todo sobrou porque não fiz pirão com o caldo da peixada (não tinha farinha aqui), assim restou “água” em abundância.

Segue a foto do molho reduzido com cuscuz (o filé de peixe está embaixo):

Receita da peixada:

500g de filé de pescada chilena (ou qualquer peixe bom para cozinhar)

03 tomates.

02 batatas.

02 cenouras (usei minicenouras que tinham na geladeira, mas tanto faz)

01 pimentão

01 cebola.

03 dentes de alho

01 limão

01 litro de água.

Cebolinha, Salsa e/ou Coentro a gosto

01 colher (sopa) de açúcar

01 colher (chá) de colorau (não tinha aqui, mas recomendo)

Sal e pimenta do reino o quanto baste.

Azeite para cobrir o fundo da panela.

02 ovos cozidos (opcional)

Modo de preparo:

Coloque as batatas e as cenouras já cortadas para pré-cozinhar (uns 5 ou 10 minutos) em água quente com sal e pimenta. Na panela da peixada, frite o alho no azeite, tire do fogo e monte em camadas: cebola, batatas, cenouras, pimentão, tomate, peixe, cebola, batata, cenoura, tomate, cebolinha-salsa-coentro (suco de 01 limão por cima de tudo). Deixe no fogo por uns 5 minutos, enquanto bota para ferver a água que cozinhou as batatas e cenouras, com o açúcar e colorau. Jogue água quente por cima (provavelmente vai cobrir tudo), tampe e deixe cozinhando até as batatas e cenouras estiverem no ponto.

Dicas:

-Acho essa ordem muito boa, mas se você achar outra melhor, fique a vontade. Não acredito que vá alterar muito a receita. O importante é não mexer, pois destruiria tudo, principalmente o peixe que geralmente é delicado.

-É uma peixada bem “aguada”, quando estiver quase pronta pode usar o caldo para fazer um pirão. Só precisa deixar o caldo fervendo em uma panela separada (fogo baixo), adicionando farinha de mandioca fina aos poucos e ir mexendo para incorporar. Se não gostar disso, faça como eu fiz, reduzindo o caldo no dia seguinte.

-Use o peixe que você achar melhor. Peguei esse por dica do peixeiro, mas existem muitos peixes bons e baratos para fazer cozido.

-No primeiro dia comi a peixada com arroz, no segundo (quando reduzi o molho), comi com cuscuz. Mas qualquer coisa fica boa, purê, mandioca, farinha, farofa, apenas as batatas, pão e até macarrão. Afinal, molho é molho, né?

Salada Sunomono

Que engraçado, eu amo a culinária japonesa, fiz curso de sushiman no SENAC e já trabalhei em um café que era gerenciado por um Chef japonês, mas nunca tinha preparado nada do tipo!

Comida japonesa é muito chata de se fazer, apesar da simplicidade, existem pequenos detalhes que fazem toda a diferença! Claro, todas as comidas têm dessas coisas, mas na cozinha nipônica isso é mais importante, como o arroz de sushi que deve ser abanado e descansado, além de ser servido frio e não gelado, etc.

Fiz essa salada por ser o mais simples dos pratos, tudo começou quando ganhei uma garrafa de vinagre de arroz que minha tia trouxe do Japão (foto abaixo), me inspirei e resolvi comprar mais ingredientes para fazer carnes, arroz e claro, o sunomono.

Na internet só achei receitas absurdas, que mandavam ferver o vinagre, lavar o pepino, usar meio quilo de açúcar com 1 litro de vinagre para temperar (Só em restaurante usaríamos essas medidas!), enfim, cuidado com esses sites grandes de receitas, onde qualquer um posta qualquer coisa. Usei as dicas do meu professor do SENAC, do meu antigo gerente e do cara que me vendeu os ingredientes (que parecia entender bastante).

Infelizmente o resultado não ficou como eu esperava, um tanto forte demais o sabor, pois acho que exagerei na quantidade de tempero para pouco pepino, por isso vou colocar a receita já corrigida. Além disso, não sei como são os vinagres de arroz nacionais, esse importado talvez seja mais forte.

É importante se lembrar que sunomono é uma conserva de pepino avinagrado, assim como podemos conservar frutas em açúcar e carnes em banha ou sal, podemos conservar vegetais e algumas carnes em vinagre ou qualquer outra solução ácida, como o arroz cozido (de sushi), o picles (pepino, cenoura, cebola), peixes (podendo fazer um ceviche) ou o namasu (conserva de nabo e cenoura, tipo sunomono), engraçado é que todos eles levam além da solução ácida, o açúcar e sal.

Outra coisa, fiz uma versão supersimples, já que o importante é o conceito de conserva e não a elaboração de algo diferente, mas em Recife sempre comia sunomono completo, com pedacinhos de polvo, salmão, atum e pescada amarela, às vezes com um molho de missô que era de comer chorando e ajoelhado! Mas uma receita dessas exigiria uma série de outros trabalhos com peixes, cortes e coisas que só uma aula pode ensinar.

Ingredientes: (para duas pessoas, o dobro dessa foto)

04 pepinos japoneses.

01 colher (sopa) de sal.

50ml de vinagre de arroz

50g de açúcar

01 colher (sopa) de saquê mirim

04 bastões de kani

01 colher (sopa) de gergelim preto

01 colher (sopa) de óleo de gergelim torrado (opcional)

Pitadinha leve de glutamato monossódico (ajinomoto)

Modo de Preparo:

Fatie os pepinos finamente, coloque o sal e deixe em descansar em uma peneira por 30 minutos, aperte-os de leve (para tirar o excesso de água) e em uma tigela adicione o ajinomoto, saquê e o açúcar e vinagre (que foram bem misturados previamente). Tampe e deixe na geladeira por no mínimo 1 hora. Antes de retirar e servir, desfie o kani e torre o gergelim(vide Dicas), se quiser, pingue um pouco do óleo.

Dicas:

-Dificilmente falo de preços, mas para não assustar os virgens marinheiros de primeira viagem, as garrafas de vinagre de arroz e saquê mirim (500ml) custam na faixa de R$ 5,00 cada, o saquinho de gergelim R$2,00, o pacote co 16 bastões congelados de kani R$ 7,50 e o pepino japonês R$4.00 o Kg (umas 7 a 8 unidades).

-Todas essas quantidades são relativas, principalmente o vinagre e o açúcar, pois o pepino, mesmo após ser seco, continuará a soltar água na conserva dentro da geladeira, por isso é importante ir provando.

-Para fatiar os pepinos, use uma manolina. Qualquer uma serve, aquela de 8 reais na lojinha do centro ou uma alemã de 140 reais que dura 5 anos e corta mais que o adamantium do Wolverine. Se tentar na faca, você vai fazer fatias muito grossas e desiguais, demorar 3 horas ou fazer sunomono com seus dedos. Além disso, use sempre o pepino japonês, ele é mais fino e longo, tem poucas e moles sementes, os outros pepinos (mais grossos) são inadequados! E nunca use a ponta dos pepinos, que amargam.

-Quando misturar o vinagre e o açúcar, vai parecer uma solução supersaturada, cheio de grãos. Mas fique tranquilo, pois além de mexer bem, quando colocar no pepino, ele soltará água e vai diluir esses grãos restantes.

-Para torrar o gergelim, pegue uma frigideira, esquente-a até fumaçar e apague o fogo, coloque os gergelins e vá salteando por alguns minutos, como se trata de pouco gergelim e ele é uma sementinha minúscula, mais calor que isso pode torrá-lo demais, deixando um gosto amargo e soltando um óleo horrível. (Ele também pula como pipoca, mas só quando a coisa já queimou e amargou)

-Compre kani de uma qualidade razoável, as marcas mais baratas são farelentas e têm um sabor horrível. Lembre-se que kani não é carne de siri ou caranguejo, são retalhos e sobra de peixes industralizada, aromatizada e compactada.

-A colher de sal deve ser generosa, pois o pepino é quase todo feito de água e essa quantidade além de não salgar muito, ainda fará com que o pepino se desidrate (essa é a intenção!). Mesmo assim, ele soltará muita água no tempero avinagrado, enquanto estiver na geladeira. Por isso é importante a espera e sempre provar (uns preferem mais azedo e outros mais doce).

-As gotas de óleo de gergelim torrado é um opcional, adoro esse tempero em carnes e saladas, dá um gostinho amendoado, que lembra amendoim torrado (rimou!), não confunda com o óleo queimado que sai do gergelim quando os torramos demais! Falo de umas garrafinhas pequenas que vendem nas mesmas lojas que o saquê, vinagre, etc.

 

Lembram daquela história de harmonizar música e comida? Pois aqui vai uma dica interessante:
The Bird and The Bee – Love Letter to Japan

Teste Docinhos

Olá pessoas, como citei no antigo post, estou abrindo uma empresa que fabrica e vende doces. Ainda estou analisando muitas coisas, como: gramaturas, preços e condições dos fornecedores, como serão as vendas, etc… Apenas pequenos detalhes. A empresa ainda não tem nome, mas provavelmente será Leão Do Norte, em homenagem ao Estado de Pernambuco, que vivi por 14 anos e de onde vem a inspiração para a maior parte das receitas.

Por enquanto só venderei esses doces a base de castanha, brigadeiro branco e chocolate (que vou batizar de Maria Bonita), mas aproveitei para fazer teste com outras amêndoas e algumas frutas secas, como damascos, figos turcos, ameixas e uvas. Claro, existem os doces triviais como brigadeiro, beijinho, bem casado e as tortas, bolos e coisas do tipo. Mas foi um dia de experiências, nunca tinha trabalhado com frutas secas, geralmente as como in natura.

Não tenho preço 100% definido ainda, mas provavelmente teremos caixinhas de 6 por R$5,00, 14 por R$ 10,00 e 28 por R$ 20,00, chegando a R$99,00 a caixa com 180. Ao contrário das fotos, as caixinhas terão fitas e adesivos com o símbolo da empresa. Claro, cada uma delas terá um cartão com site, email, telefone, etc. É um preço muito baixo, serve mais para divulgar a empresa e futuramente render encomendas. A propósito, quero agradecer minha ex-vizinha Sandra que me deu essa receita, ela já vende em Recife e eu “importei” para terras curitibanas! Muitíssimo obrigado!

Engraçado fazer uma postagem com praticamente só frutas secas. Até pouco tempo atrás eu não gostava, mas fui conhecendo frutas secas de boa qualidade (fiquem longe dos supermercados comuns!), além de ter ouvido mil e uma histórias da nossa professora francesa Cristine Dabat, que falava sobre a importância de secar uma fruta, tanto para a gastronomia, como para a sobrevivência em longos invernos. Hoje o mais comum são as uvas passas no panetone, ameixas no olho de sogra, banana nos doces industrializados (pseudo-saudáveis-light) e o damasco quase decorativo na mesa das festas. Provem o figo, o morango, a pêra, o pêssego… Explorem esse novo mundo de sabor! Uma vez vi o Olivier Anquier (meu ídolo, herói, inspiração e futuro sogro) em viagem pela França, onde comeu um salada com pêras passas, alface, roquefort e redução de balsâmico, apenas 4 ingredientes que se harmonizam perfeitamente! Espero muito um dia poder postar esse prato aqui.

Aproveitando para ressaltar que essas são as últimas fotos da velha máquina, segunda feira chegará a Canon profissional e coisa vai melhorar pacas!

As tais Marias Bonitas (Acertei no plural?)

Maria Bonita por dentro

Morangos glaceados (dois detalhes, 1- não confunda com morangos glaçados, 2- não fiz, apenas comprei e estou pensando em fabrica-los, é uma espécie de “passa” de morango, absurdamente delicioso!)

O velho conhecido Olho-de-Sogra e alguns testes de Marias Bonitas com outros recheios (noz pecan e morango)

Figos turcos (pra mim, o Rei das frutas secas!) recheado com brigadeiro branco e crocante. (tentativa de melhorar o que já é perfeito!)

Olho-de-Sogra em rama. Tipo de coisa que é terapeutico fazer e dá pena de comer, imagina tirar as sementes e rechear as passas uma a uma?

Toda a galera reunida!

Gostaram das fotos? Deu vontade? Quem sabe não começo a vender pela internet? =)

Tenham uma excelente semana!

Pão Caseiro

Conforme prometido, estou postando mais aqui no blog. Esses dias assisti ao programa “Diário de Olivier” no canal GNT, Olivier Anquier é um cozinheiro francês, que mora no Brasil há anos e é ex marido da Débora Bloch. Ele fazia brioches em sua linda cozinha pseudo-rústica e me inspirei a fazer pães também… Primeiramente pensei em fazer brioches, mas como era muito complexo (na TV tudo é mais fácil), achei melhor tentar pães doces, mas enquanto pesquisava uma boa receita, deu vontade de comer um pão caseiro quente com manteiga, queijo, presunto e claro, café! Hahahahaha.

Lá vai o gordo Tadeo fazendo seu primeiro pão caseiro, como não conseguia padronizar o tamanho e formato, resolvi fazer cada um de um tamanho e estilo, malandro safado charlatão enrolão embusteiro esperto, né?

Por incrível que pareça, os pães ficaram saborosos e macios, minha casa passou a tarde toda com cheiro de padaria. Nada mal para um virgem a primeira vez!

Ingredientes:

01 kg de farinha

01 xíc óleo

01 xíc leite

01 xíc açúcar

04 ovos

10g fermento biológico em pó (ou 45-60g de fermento fresco)

01 colher de sopa de sal.

Modo de preparo:

Bata todos os ingredientes (menos a farinha), deixando o fermento por último. Coloque toda a farinha sobre o balcão e faça um “vulcão”, despejando o conteúdo no meio (cuidado, isso é para quem tem experiência, peça ajuda ao papai e à mamãe, vide dicas*). Aí é muque de padeiro, vá amassando, amassando, amassando, deixa o suor dar um tempero especial, quando ela começar a grudar na pedra da mesa, coloque mais farinha e continue amassando. A massa ficará lisa e homogênea, você dará um tapa e parecerá a bunda do seu melhor amigo barriga do seu avô. Deixe descansar por 30-45min em uma tigela grande, com um pano de prato por cima. Depois que ela descansou e cresceu, retire-a da tigela e divida em 05 ou 10 pedaços, dependendo do tamanho do pão, faça pranchas ou esteiras e enrole, deixando no formato de pãezinhos, croissants ou o que sua imaginação suja fértil mandar. Depois só untar uma fôrma com manteiga e farinha e deixe assar em forno médio (220°C) pré aquecido, até dourar.

Dicas:

– Veja o modo de preparo no youtube, recomendo também o site do próprio Olivier Anquier www.olivieranquier.com.br

– O fermento biológico em pó deve ser estimulado antes de entrar na receita, pegue um dedo de leite morno e dissolva um envelope nele, mexa por alguns minutos, até virar um caldo marrom de cheiro fermentado.

– Na hora do vulcão, fiz um método para principiantes como nós. Coloquei ¼ da farinha no liquido, enquanto batia. Assim o caldo ficou mais grosso e fácil de trabalhar quando colocado sobre a farinha.

– Quando for moldar os pães, use a criatividade. Pode rechear com queijos, embutidos, doces e até usar manteiga para folhear. Também pode cobri-los com alguma coisa, no meu caso, pincelei com um ovo por cima, mas podem além de usar ovo, colocar orégano, queijo ralado ou gergelim.

Farofa de Cuscuz

Imagine uma farofa simples: Com cebola, lingüiça portuguesa, legumes e pimenta… agora imagine isso com uma farinha de milho super leve e fofa! Oh my God!!!

A farofa de cuscuz é exatamente isso!

cuscuz

Ingredientes:

– 200g de lingüiça portuguesa. (cubos)

– 02 cebolas. (cubos)

– 01 tomate grande. (cubos)

– 01 cenoura (ralada)

– ½ pimentão. (cubos)

– 03 ovos. (mexidos)

– Cuscuz (obviamente já cozido, siga a receita—> https://tanamesapessoal.wordpress.com/2009/07/20/cuscuz/ )

– 02 colheres de manteiga.

– sal e pimenta do reino.

Modo de preparo:

Frite a lingüiça e a cebola, deixe dourar bem, adicione os legumes (pimentão, tomate, cenoura), corrija o sal e a pimenta, quando estiver cozido, adicione os ovos mexidos, a manteiga e o cuscuz inteiro. Misture bem e de uma forma bem suave, para não destruir tudo.

Dica:

– Não tem hora para comer isso, cabe no café, almoço e jantar!

– Pode ser comido frio.

– Se o pessoal daqui de casa fosse menos matuto mais tolerante com alimentação, eu teria adicionado uma banana em cubos perto do final, para dar um toque doce na farofa.

Bolo de Coco

Esses dias me deu vontade de comer bolo de coco, não sei exatamente o porquê de surgir essa vontade, mas ela surgiu e eu tive que sacia-la, porra! ora bolas! Pela primeira vez eu fiz um bolo e recheei por dentro, nunca tive colhões equipamentos necessários para tal operação, mas com criatividade, coragem, um fio dental, 03 espátulas e ajuda da minha mãe, eu consegui fazer esse difícil serviço de McGyver confeiteiro! É o tipo de coisa tão boa, que pode ser comida quente, fria, gelada e de qualquer maneira que quiser, amanhã levarei ao escritório, espero que aprovem!

Imagem10

bolo de coco 02

Ingredientes (bolo):

03 xícaras de farinha trigo.

02 xícaras de açúcar.

½ xícara de leite.

½ xícara de leite de coco (grosso).

03 ovos (separar gema e clara em neve).

02 colheres de sopa (generosas) de manteiga.

01 colher de sopa (generosa) de fermento.

01 colher de chá de essência de baunilha.

Ingredientes (recheio):

01 lata de leite condensado.

01 caixinha de creme de leite.

01 pacotinho de coco queimado ralado (desaconselho usar a versão seca).

Ingredientes (caldo para umedecer):

½ xícara de leite de coco.

½ xícara de leite convencional.

Modo de preparo:

Bata bem todos os ingredientes do bolo (menos o fermento e as claras em neve). Adicione o fermento e as claras em neve por último, mexendo com cuidado. Leve ao forno com 180-200 °C pré-aquecido por 40-60 minutos (até dourar) Tanto o recheio como o caldo só precisam ter seus ingredientes misturados. Usando sua técnica improvisada, corte o bolo ao meio, despeje com cuidado metade do caldo e depois coloque metade (ou 1/3) do recheio. Cubra com a outra parte, faça centenas de furos com o garfo e repita a operação, despejando o caldo e cobrindo com o recheio (que agora virou cobertura, né?).

Dicas:

– Se for comer quente ou em temperatura ambiente, a receita está perfeita. Mas se for comê-lo gelado, dobre a quantidade de leite e leite de coco para umidecer, porque a massa tende a ficar seca dentro da geladeira.