Bobó de Camarão

Aquele prato que você come agradecendo aos Deuses africanos e só para de comer quando acaba (ou quando está saindo pelo nariz/ouvidos). Originalmente feito com purê de inhame e camarões secos, sofreu adaptações no Brasil e aqui dentro existem muitas versões. Inclusive pesquise cuidadosamente, pois há receitas esdruxulas pela rede, algumas mandam usar dois maços de coentro e outras 3 litros de leite de coco. Nessas horas é bom ter bom senso, principalmente se tratando de temperos ou ingredientes polêmicos. Outro fato que me surpreendeu foi a simplicidade desse prato, muito rápido e simples, menos de 1hora entre abrir a geladeira, picar tudo e cozinhar para 4 pessoas. Se estiver em 4 mãos, desenrola em meia hora!

A receita que segue é pequena, alimenta 2 pessoas insanamente esfomeadas, 03-04 se tiver uma entrada (e sobremesa) ou até 6 se tiver outros acompanhamentos, como um peixinho frito.

Imagem

Ingredientes:
01 cebola grande picadinha.
03 tomates picados. (com casca, pele e tudo, sem frescura)
½ pimentão.
01 naco de mandioca (aprox 300-400g)
500g de camarão limpo.
2 colheres de azeite de dendê.
¼ maço de coentro (só folhas)
sal, pimenta do reino, limão e óleo comum.

Modo de Preparo:
Bote a mandioca descascada para cozinhar (leva aprox 01 hora, precisa apenas ficar mole), após cozida, bata no liquidificador ou processador e reserve (se necessário, coloque a própria água onde ela cozinhou).
Frite a cebola em um fio de óleo, depois que ficarem translúcidas, adicione o coentro, o tomate e o pimentão, cozinhe até ficarem macios, adicione os camarões (temperados com limão, pimenta do reino e sal), salteie por 1 minutinho e adicione o purê de mandioca. Misture, quando começar a borbulhar, adicione o azeite de dendê, mexa mais uma vez e tá lindo!

Dicas:
– Usei apenas cebola porque o melhor acompanhamento para tal prato seria um arroz bem caprichado no alho.
– O leite de coco é opcional e não usei, mas caso use, recomendo diminuir a quantidade de mandioca porque ambos são espessantes, quer dizer, se colocar muito dos dois, vai virar um mousse! (no mau sentido)
– O camarão pode ser pequeno, recomendo o uso daqueles já limpos. Tempere-o 5 minutos antes de usar, porque se salga-lo muito tempo antes, ele fica desidratado e borrachudo. Também não precisa ser cozido exaustivamente, como percebe-se na receita acima, basta sair do estado de cru.
– Pimenta vermelha ou semelhantes coloque em seu próprio prato, caso goste.

Anúncios
Published in: Sem categoria on 02/12/2012 at 18:25  Deixe um comentário  
Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Viagem Gastronômica ao Recife

  Depois de uns 35 dias sem nem sequer visitar meu próprio BLOG, coisa de blogueiro vagabundo cuzão relaxado relapso, apareço em uma longa postagem e com novidades concretas e nenhuma receita! (Que merda, Hein?)

Passei 20 dias em Recife, curti o carnaval, fiz um vídeo no youtube que me transformou na pessoa mais odiada da internet, revi meus amigos e estou realizando os testes dos doces da minha empresa, a Leão do Norte(nome mais provável). Mas o que isso tem de concreto? Trarei novas receitas (dã, que obvio, é pra isso que serve o blog, seu blogueiro burro!) e a coisa mais legal de todas, comprei uma máquina fotográfica muito legal (finalmente!), vou pegar nessa semana, uma Canon T2i e aposentarei essa que uso atualmente, uma PENTAX a pilha, de 4 megapixels que comprei em 2004.(responsável por essas fotos que tirei até hoje)

Reparem que boa parte das fotos postadas a seguir não têm uma boa qualidade, coisa que mudará a partir de agora, com a chegada na nova câmera.(Para o bem geral da Nação!)

A maioria das fotos mal tiradas amadoras que seguem são de lugares que costumo (costumava) frequentar em Recife: cafés, bares, bistrôs, etc. Alguns eu frequento e não tive a oportunidade de fotografar, outros foram fotografados, mas as fotos ficaram tãoooo ruins que eu prefiro queimá-las não usar. Também seguem fotos de alguma comidas que fizemos em casa. Espero que quando viajarem para a capital do nordeste, a São Paulo do norte, metrópole pernambucana, possam conhecer o que ela tem de melhor para oferecer ao seu estômago.

Para começar a farra gastronômica, vamos exibir um restaurante étnico maravilhoso e de certo modo, raro no Brasil. Um Restaurante Coreano! O nome do lugar é “Burgogui”, mesma nomenclatura do prato principal, o churrasco coreano. Os donos são um casal coreano, especificamente a esposa, pois o marido veio para ser jornalista, mas acabou virando um famoso acupunturista É um clima caseiro e aconchegante, não só é uma velha casa, mas tem cheiro de “lar”, ainda mantém as divisões de quartos e em boa parte das vezes somos atendidos pelos donos, restaurante étnico 100% familiar! Melhor impossível!

As fotos abaixo são:

Um prato delicioso chamado JAPCHAE, uma espécie de yakisoba, mas feito com macarrão transparente, carne surrada, shitakes frescos, cebolinha inteira, pimentões vermelhos e carregado com óleo de gergelim torrado, junto com uma porção de pimenta flocada vermelha muito suave e deliciosa chamada gochugaru.

 

O famoso carro chefe que dá nome ao estabelecimento, o churrasco coreano é carne (acho que alcatra) bem picadinha e provavelmente surrada, deixando bem mole. É feita nessa “panela-churrasqueira” importada da Coreia, cozida em vapor e caldos aromatizados (que podemos comer com arroz ao final).

 

Esses são os acompanhamentos do churras, acelga apimentada, broto de feijão com óleo de gergelim torrado, amendoim teriyaki, mini-batata teriyaki, gochugaru, pasta de missô, folhas de alface lisa e claro, arroz branco. O mais interessante da brincadeira é o modo de comer, você pega a folha, coloca a pasta, o arroz, o acompanhamento desejado e o pedacinho de carne, faz uma trouxa e manda pra dentro! Muito diferente dos tradicionais chinas e japas que sempre vamos.

 

Para finalizar, essa é a “fachada” do local (endereço e telefone coloco no final da postagem).

Já que estamos com os dois pés no oriente ou ao menos em seus representantes gastronômicos em Recife, vou ressaltar a boa qualidade dos sushis dessa cidade, aqui em Curitiba(onde estou morando), um lugar cheio de japonês mas só conheci lugares (sushis) caros demais ou ruim demais. Claro, em Recife também existem os lugares com preços abusivos e aqueles rodízios sebosos que a ralé enriquecida os emergentes de Boa Viagem adoram. Mas essa cidade de poucos japoneses oferece muitas opções excelentes e surpreendentes, inclusive dentro do shopping, lugar onde comida fresca e de qualidade é mais raro que mulher em show de heavy metal, hétero trabalhando em cia aérea, japonês blackpower, nota de 1 real! Indico um chinês e dois japas de olhos fechados (sem trocadilho cretino),o primeiro é o Chinatown(uma unidade no Shopping Recife e outra no Guararapes), restaurante chinês mais tradicional da cidade, pratos a um preço justo, comida absurdamente farta e bem feita, ambiente e cozinha perfeitamente limpos².(Ressalto esse fato, pois existem pessoas que ainda nutrem preconceito quanto a esse quesito nos restaurantes chineses). Os três japoneses são: Sushimi, que fica dentro do shopping, pertence a mesma família do chinatown e apesar de ficar na praça de alimentação, conta com um espaço interno muito aconchegante(e pequeno) e mesmo sendo um sistema express, tudo é absurdamente fresco, bem feito e de excelente qualidade. O segundo (e fotografado) não é exatamente um restaurante japonês tradicional, é um bistrô contemporâneo com fortes influências asiáticas, por coincidência também fica no Shopping Recife, seu nome é EKI, nome dado às estações de metrô no Japão, é um espaço relativamente grande e com ambientação que realmente lembra o interior de um trem urbano de passageiros (vide foto abaixo).

 

O cardápio é bem variado, com pratos contemporâneos (cozinha clássica+asiática) e vários tipos de sushis (excelentes também). Nesse caso da foto, peguei um prato de salmão com molho de maracujá, risoto de funghi e legumes no vapor com um toque de gengibre, é de comer ajoelhado! O ideal para duas pessoas é comer uns sushis de entrada, dividir esse prato quente e na sobremesa, pedir tempurá de sorvete, um cilindro de sorvete empanado e frito, a massa parece bolo recém-saído do forno e conforme o sorvete derrete, ele penetra na casca crocante, muitooo gostoso!

 

Saindo do Shopping (Graças a Deus!), temos o Quina do Futuro, fica na Zona Bonita Aristocrática Chic de Bom Gosto Norte da cidade, em uma esquina da Rua do Futuro, é o mais tradicional de todos, com asiáticos fazendo sushi na hora, usam instrumentos antigos, sistema de fichas no varal e como não podia deixar de ser, é o mais caro e melhor dos três, ideal para quem curte comida japonesa MESMO, daquela que pode ser facilmente comparada as entocas do bairro da Liberdade em Sampa.

Depois de falar de tantos sushis e sashimis, vocês acham que os peixes acabaram? Que nada! Comecei agora! Segue abaixo algumas fotos que falam por si só: Primeiro o peixinho frito em Porto de Galinhas, o preço é meio salgado(R$ 60,00), mas você paga pelo guarda-sol, cadeiras e pela vista, apesar da simplicidade no preparo, o frescor do alimento e a prática de anos do cozinheiro, faz o peixe ficar na perfeição! Recomendo a barraca onde o Visconde trabalha, somos clientes fiéis há 15 anos. (O tomate ficou amarelo nessa foto, mas o que eu comi era vermelhinho!)

Essas fotos são de um lugar mais fino, o Bargaço, um restaurante baiano com filial em Recife, provavelmente o mais sofisticado e caro de frutos do mar da cidade. São fotos de um peixe assado, uma sinfonia marítima e casquinhos de caranguejo. Vou confessar uma coisa, não criei o Blog para ficar criticando os restaurantes por aí, mas nesse caso fiquei um tanto decepcionado com a comida do Bargaço, a sinfonia não estava grandes coisas, além de cara (R$ 99,00), tinha só caldo sem sabor e muitooooo sururu, não vi nem cheiro de lagosta, poucos camarões e polvos-lula e um pedaço de peixe que era 90% espinho e couro, o peixe foi caro também (R$ 75,00 aprox), estava sem graça e sem carne, bem abaixo do mesmo peixe que comi em Porto de Galinhas, feito em um lugar precário e sem nenhum Chef para comandar. As únicas coisas que são perfeitas e extremamente baratas, foram as casquinhas de caranguejo, porção com 10 por R$ 38,00, dá para 2 pessoas se empanturrarem com essa porção farta e muito bem feita (provavelmente a mais gostosa que já comi)

 

Agora vamos para minha casa, uma moqueca que meu pai fez. Peixe, camarão, legumes, leite de coco e azeite de dendê são a base, com o caldo faz-se o pirão (uma das delícias gastronômicas herdadas dos índios). Modéstia a parte, mas estava muito melhor (em todos os sentidos) que a sinfonia do Bargaço e gastamos ¼ do valor. Eu e meu pai brigamos muito por termos princípios gastronômicos bem diferentes, mas quando se trata de frutos do mar, eu não dou pitaco no trabalho dele, que geralmente é de primeira!

 

 

Para quem quer gastar menos e ter um lugar romântico, recomendo as creperias de Recife. Conheço três delas, a Montmartre: uma pequena casa no Bairro de Casa Forte, o dono é um francês mal humorado e os pratos sempre saem a perfeição. O La Plage é um dos meus restaurantes favoritos, serve apenas crepes e saladas, nenhum prato custa mais de R$ 20,00, a comida sempre é leve e suave (Mas nunca sem-graça! É deliciosa mesmo!), tem um dos melhores custo-benefício que já vi e excelente atendimento, sempre é uma boa pedida, qualquer prato é um acerto! (desculpem essa foto ruim)

E claro, a Galeria Joana D’Arc e o Anjo Solto: Uma creperia que começou como um bistrô GLS alternativo, mas aos poucos virou um lugar mais “familiar”, principalmente nos finais de semana. Os preços são mais salgadinhos, a qualidade peca às vezes, mas com certeza ganha no quesito ambiente, pois sempre tem pessoas legais e o lugar (uma antiga galeria decadente, a Joana D’Arc) se transformou em um pequeno polo gastronômico com restaurantes de todos os tipos: italiano (mostro uma foto quando falar das massas), mexicano (foto seguinte), japonês (ruinzinho, não recomendo), pizzaria e claro, a creperia! Eles se misturam e local vira um point para casais de todas as idades, encontro light entre amigos (tipo barzinho) ou pré-balada. Como podem ver na foto o Restaurante Mexicano descolado e muitas mesas, só está semi-vazio porque era umas 19:00 de terça-feira.

 

As massas de Recife… Infelizmente ainda temos péssimos restaurantes italianos e pizzarias que fazem sucesso, mas vou dar a dica, o caminho dourado dos lugares certos! Gosto de começar pelo melhor, então lá vai: Trattoria Don Francesco, em Olinda. O lugar é romântico, os preços são médios-altos (mas muito justos!) e o estabelecimento é tocado pelo dono, um italiano. Recomendo pedir uma salada caprese e uma lasagna bolognesa (para um casal dividir os dois pratos), depois comer a sobremesa que o espaço estomacal deixar, quem sabe dar uma volta em Olinda a noite? Podem ficar tranquilos, aquela cidade é histórica, mágica e segura. E olha que sou um agnóstico cético chamando algo de “mágico”, levem a sério, viu?!

Tá passeando no shopping e deu vontade de comer um italiano? (sem trocadilhos cretinos novamente!) Fique longe da praça de alimentação e vá ao Michelli, um excelente restaurante fora da praça, o ambiente é bacana e o filet a parmegiana é divino!

Se você está por Boa Viagem e não pode ir para Olinda impressionar a patroa, vá para a Galeria Joana D’arc que acabei de citar e visite o La Pasta Galleria, os molhos são feitos a perfeição e a massa totalmente caseira e feita lá mesmo, ambiente escurinho e geladinho (importante no nordeste!) O lugar é bem pequeno e costuma lotar nos FDS, vá durante a semana ou ligue antes.

 

Se você quer comer um panini ou pizza, vá ao Dom Ferreira Forneria, um dos meus restaurantes favoritos, excelente custo-benefício, ingredientes dos Deuses e uma pizza igual àquelas do Bexiga em SP, o ambiente é lindo, todo black piano e com detalhes laranja, janelas amplas com vista de um movimentado cruzamento da avenida que dá nome ao lugar, a Av. Domingos Ferreira, uma das mais engarrafadas da cidade e que rasga o bairro de Boa Viagem.

Se está em um clima mais descontraído, informal e praieiro, pertinho dali existe a Pizzaria Cipó Nativo, onde servem uma pizza exótica, com uma massa leve e macia, com toques de manteiga de garrafa, gergelim e com uma textura que derrete na boca, o ambiente é um show a parte, teto de palha, chão de areia, lago de carpa, animais de madeira, cores curiosas, temas afro e indígena. Toda essa “selva” no coração de Boa Viagem, cercado por prédios de 20, 30 e 40 andares.

A cidade atualmente conta com muitos pequenos bistrôs, até agora nunca passei “raiva” por comer algo caro ou ruim, sempre os preços são convidativos e a comida na pior das hipóteses apenas não impressiona, mas decepcionar mesmo, nunca aconteceu. O melhor exemplo é o Espaço Muda, um lugar curioso, pois está fora dos eixos turísticos, comerciais ou residenciais, em um bairro onde funcionam gráficas, galpões e antigas casas, mas está se transformando em um polo de galerias de arte e baladinhas. O Muda não foge a regra, além de bistrô, é uma galeria de arte, brechó e nos fundos tem um espaço onde funcionam peças de teatro bemmm alternativas, baladinhas ou pequenos shows. Essas fotos, apesar de mal tiradas, retratam bem o clima do lugar. Se você é um cara que curte arte, leitura, usa barba, óculos grande, camisa xadrez e é pobre-fresco igual a mim, vai adorar o lugar! A comida é boa e barata, ir com a Mallu Magalhães gatinha ou com os Los Hermanos amigos é uma excelente opção!

Já que estamos falando em pessoas mais barbudas chatas maconheiras cults, como eu e meus amigos, nada melhor que o Bar Central. Um barzinho com uma certa sofisticação no ambiente, fica na Boa Vista, frequentado por artistas, professores e pessoas do tipo, a rua é muito movimentada, pois conta com micro barzinhos, mas o melhor mesmo é ficar no próprio Central, a comida é excelente, muito bem feita e com dezenas de opções de comida de vaca e cavalo vegetarianas, que apesar de não serem completas faltar alguma coisa terem carne, são uma marravilha! Mas para você que é normal gente humano civilizado esperto come carne, recomendo o Filé com fritas, que pode parecer besteira, mas é o melhor filécomfritas que conheço! Infelizmente acho que existem dois defeitos nesse bar, ele é caro pra doer e seu atendimento é de fazer o cu cair da bunda deixa a desejar.

Seguindo a onda alternativa, existe o Casa da Moeda lá no Recife Antigo, as comidinhas são gostosas, o ambiente e o público são bem interessantes e até os funcionários são umas figuras (garçons e garçonetes andrógenos).

O que fazer em um sábado ou domingo às 16h? Você acordou tarde, tomou café às 11h e não almoçou, lá pelo meio ou final da tarde deu uma fome… Vá para Olinda comer Tapioca! No Alto da Sé, existem as tapioqueiras que fazem tapiocas de todos os sabores, mas o melhor deles com certeza é o mais clássicão de todos, a tapioca de queijo coalho, manteiga e coco! Talvez as pessoas da roça do sul e sudeste pensem no coco apenas como algo doce, ledo engano, coco agrega positivamente em muitas coisas, pois tem textura diferenciada, sabor suave e gordura de sobra. Como algo assim não pode ser bom? Inclusive minha maior frustração é não ter foto desse lugar, nas duas vezes que fui, me esqueci da máquina (que é uma pereba, mas quebrou meu galho por 7 anos), deixa para a próxima!

Depois de tanta comida salgada, bora pra sobremesa?

Os cafés e delicatessens recifenses melhoram a cada dia! Para saborear o melhor café e cappuccino, temos o pequeno e charmoso Mercedes Café na Zona Norte, com macio brownie e um pastel de belém feito na hora, ao ladinho da Praça de Casa Forte, local que foi projetado por Burle Marx e é um convite para um passeio com a família ou amigos e o Castigliani Café, dentro da FUNDAJ (Fundação Joaquim Nabuco), anexo ao cinema, onde você pode comer e beber muito bem e aproveitar para ver um filme bacana.

Um lugar que sou frequentador assíduo é o Dalena. Uma tortaria que oferece dezenas de tortas (todas deliciosas), excelentes salgados (melhor que das padarias tradicionais) e claro, um café que não deixa a desejar. Inclusive tive a sorte de poder fotografar duas sobremesas e consegui uma foto borrada do local (Não disse que tenho que aposentar essa câmera?). Vale muito a pena, comida impecável, preços mais-que-justos e atendimento excelente.

 

Acho que essa “saga” chega ao fim… Gostaria muito, mas muito mesmo de ter tirado mais e melhores fotos, mas tive problemas com a máquina e com a minha memória (que sempre a esquecia em casa), além de não ter ido para todos os lugares que quis e nem fotografado lugares que fui, principalmente o Bar Central, Alto da Sé em Olinda e o Mercado de Boa Viagem (que não citei na postagem), sem falar que gostaria de abordar mais os bares, burguerias e principalmente os restaurantes regionais. Prometo (dessa vez de verdade) postar mais receitas, preparar alguns vídeos, melhorar as fotos e aviso, meus doces estão chegando! Olha minha cara de tarado maluco!

 

Aqui embaixo estão telefone e endereço de alguns lugares citados, boa parte tem site ou fotos na internet, confira:

Burgogui

Rua Venezuela, 153 Espinheiro

Telefone: 81-3423-0692

Horário: 12h/15h e 18h/23h (fecha seg.)

http://www.restaurantechinatown.com.br/

http://www.sushimi.com.br/

http://www.quinadofuturo.com.br/

http://www.restaurantebargaco.com.br/

Creperia MontMartre

Rua Alfredo Fernandes, 61

Recife – PE

(0xx)81 3268-7278

http://www.crepeslaplage.com.br/site/

http://www.anjosolto.com.br/

Trattoria Don Francesco

Rua Prudente Moraes, 358 – Carmo

Fone: (81) 3429.3852

Funcionamento: seg a sex, das 11h às 15h e das 18h30 às 23h / sáb, das 18h30 às 0h

e-mail: donfrancescotrattoria@uol.com.br

La Pasta Galleria

Av Herculano Bandeira, 513, Galeria Joana D’Arc, Pina, Recife/PE

Funcionamento: De domingo à quinta, das 18h até meia noite;

Sextas e sábados das 18h até 2h

Reservas: (81) 3328-3848.

http://www.ristorantemichelli.com.br/

http://www.domferreiraforneria.com.br/

http://www.ciponativo.com.br/home/index.php

Bar Central

Rua Mamede Simões, 144

Recife – PE

81 3222-7622

Casa da Moeda

Rua da Moeda, 150

Recife – PE

81 3224-6803

http://www.dalena.com.br/