Canja de Galinha

Olá pessoas! Que saudades de vocês!
Demorei para postar pelos mesmo motivos que aleguei na postagem passada. Estou morando sozinho e meu apartamento não dispõe e quase nada: batedeira, liquidificador e outras coisas simples. O projeto de filmar as receitas já está encaminhado, porém aconteceram atrasos por motivos técnicos e provavelmente só terei algo filmado em alguns dias, inclusive a receita de hoje era para ter sido filmada em conjunto com o arroz doce. Por isso estou postando isso diretamente da casa da minha avó, vim aqui com minha amiga Priscila, fiz bolo e no começo da noite fiz uma canja de galinha bem tradicional.
A canja de galinha é um prato curioso, pois esse hábito de consumir arroz+ave é mundial, todo país tem seus pratos com esse casamento. Pesquisando um pouco, descobri que o nome “canja” vem de “kanji”, um ensopado de arroz e galinha indiano típico da Província de Malabar, região onde fica Goa, antiga colônia portuguesa na Índia. O hábito de tomar canja e agregar a ela propriedades medicinais remontam final do século XVIII e começo do XIX com a invasão francesa em Portugal, quando a nobreza consumia regularmente esse prato. Mas como historiador que sou, acredito que a real origem da canja é a mesma do arroz doce. Simmmm, canja e arroz doce são irmãozinhos! Há tempos e tempos atrás, aproximadamente no século XVI e XVII, entre 1532 quando Duarte Coelho chegou até comecinho de 1700, com o começo da interiorização européia no Brasil, o prato mais “chic” de nossas terras era o “manjar branco”, de origem mourisca, consistia em um pudim doce feito com açúcar, leite, canela, arroz quebradinho e peito de frango desfiado. Curioso, não? Pois falarei mais sobre isso na postagem do Arroz Doce FILMADO, enquanto pico e mexo as coisas, vou desconstruindo a história desses pratos tão preciosos.
Resumo da Ópera: Canja é tudo de bom, um prato barato, saboroso, tradicional, simples de fazer e saudável, pois tem baixa caloria e propriedades antiinflamatórias. Pode também ser saboreada no verão, apesar de aquecer, é muito leve e não dá aquele “suador” que os caldos mais pesados e gordos fazem!
Segue abaixo a receita para 2-3 pessoas, para alimentar uma matilha galera maior, use o dobro dos ingredientes descritos:

Ingredientes:
– 1/2 peito de frango (com ossos e pele).
– 03 tomates (cubos pequenos)
– 01 cebola (bem picada)
– 02 dentes de alho (bem picados)
– 03 mandioquinhas salsa (em rodelas médias)
– 01 cenoura média (meia rodelas finas)
– 1/2 xícara de arroz (fino)
– Fio de óleo comum
– Um punhado de repolho (opcional)
– Salsa e Cebolinha (a gosto)
– Sal e pimenta do reino.

Modo de Preparo:
Refogue o alho no óleo até dourar, adicione a cebola e a pele inteira do peito, deixe até caramelizar. Adicione o frango (cortado em cubos) e a pimenta do reino, refogue até o frango ficar branco, adicione o sal, o tomate, a cenoura, salsa e a mandioquinha, misture e coloque o esqueleto do peito (geralmente é uma peça inteira de ossinhos finos e cartilagem, ainda com pedacinhos de carne). Deixe refogar por uns 5 minutos, adicione água quente até cobrir + 50% os ingredientes, aproximadamente 3/4 da panela. Vá provando, quando começarem a cozinhar (mas ainda duros, longe de ficar pronto), coloque o arroz e mexa. Depois vá mexendo periodicamente e provando até o arroz ficar cozido. Corrija o sal/pimenta e adicione as cebolinhas pouco antes de servir.

Dicas:
– Usar a pele e os ossos-cartilagem é muito importante, porque eles darão sabor ao caldo e evitarão o uso daqueles tabletes sintéticos. Não se esqueça de retirar essas partes indesejadas antes de servir, porque osso na sopa ou aquela pele branca e cheia de poros é o fim!
– O tamanho dos legumes e a ordem que são colocados é muito importante, porque o mais difícil em uma sopa é o “timing” , saber que todos os vegetais estarão no cozimento certo ao desligar o fogo. Por exemplo, a cebola e o tomate devem “desaparecer”, já a mandioquinha cozinha mais rápido que a cenoura, por isso é cortada em rodelas mais grossas. O arroz é um dos últimos e a cebolinha, praticamente crua. Assim por diante, porque cozimento e textura importam muito nesse caso.

Torta de Limão

Docinho muito consumido em todo Brasil, a torta de limão é um prato interessante, pois harmoniza três texturas e sabores totalmente diferentes em uma única fatia. A base é crocante, amanteigada e levemente salgada, o recheio é um mousse denso e cremoso de sabor doce-azedo-cítrico e por cima um suspiro mole, extremamente leve, com fina camada crocante, de doce suave e aromatizado com a casca do limão. Ao contrário do que pregam, é sim difícil de fazer, pois se divide em várias fases que envolvem ponto correto de bater, assar e outras coisas que exigem o mínimo de prática. Olha aí, comida brasileira mais simples possível, mas ao mesmo tempo é uma sobremesa complexa e refinada, dá de dez a zero na maioria das falsas gororobas refinadas que vendem por aí! Com a mais absoluta certeza, servirei tal iguaria em meu café!
Ps. Esses pontinhos de caramelo por cima formaram-se sem querer, deixei a torta esfriando e quando voltei do curso, ela tinha feito essas bolinhas por cima!
Pss. Foi a primeira vez que fiz torta de limão, foi quase tudo OK, apenas deixei a massa um pouco grossa e sem sal, além de ter feito pouca neve para o suspiro, mas na receita que se segue abaixo, todos os erros foram corrigidos.
Psss. (Isso existe?) A foto ficou uma merda não ficou grandes coisas. =(

Ingredientes:
Para a Base:
02 xícaras de farinha de trigo.
100g de manteiga com sal
02 gemas de ovo
01 pitada de sal.
01 xícara de açúcar.

Para o recheio:
02 latas de leite condensado
05 limões (só caldo)
02 limões (só casca raspada)

Para a cobertura:
04 claras batidas em neve.
01 xícara de açúcar fino
03 limões (só a casca raspada)

Modo de preparo:
Bata todos os ingredientes da base e modele na sua fôrma, leve ao forno baixo para pré-assar por uns 10 ou 15 minutos. Enquanto a base assa, misture o leite condensado com os limões (caldo e raspa), usando uma batedeira. Retire a passe do forno e coloque o recheio. Faça a cobertura da seguinte maneira: Bata as claras até virarem uma neve bem firme e aos poucos (pode usar uma peneira) espalhe o açúcar e as raspas. Espalhe por cima da torta (se quiser, faça desenhos com a colher) e deixe no forno baixo (180°C) por cerca de 30 minutos ou até o suspiro ficar marrom claro. Deixe esfriar em cima da mesa por umas 4 horas e depois coloque na geladeira (coma no dia seguinte).

Dicas:
– Não preciso nem comentar que são 05 limões ao total, sendo primeiro raspados e depois espremidos, sua raspa dividida metade para o recheio e metade para cobertura. O mesmo vale para o ovo, mas sobrarão duas gemas que ficarão por sua imaginação.
– O açúcar fino pode ser o cristal batido no liquidificador e depois peneirado.
– Quem fizer em casa, me avise se ficou bom e se formaram as bolinhas de caramelo por cima.
– Não precisa untar a fôrma e atenção na hora de moldar, faça bolas e vá preenchendo o fundo e lateral, apertando e espalhando. OBVIAMENTE use fôrma de fundo removível!

Farofa de Cuscuz

Imagine uma farofa simples: Com cebola, lingüiça portuguesa, legumes e pimenta… agora imagine isso com uma farinha de milho super leve e fofa! Oh my God!!!

A farofa de cuscuz é exatamente isso!

cuscuz

Ingredientes:

– 200g de lingüiça portuguesa. (cubos)

– 02 cebolas. (cubos)

– 01 tomate grande. (cubos)

– 01 cenoura (ralada)

– ½ pimentão. (cubos)

– 03 ovos. (mexidos)

– Cuscuz (obviamente já cozido, siga a receita—> https://tanamesapessoal.wordpress.com/2009/07/20/cuscuz/ )

– 02 colheres de manteiga.

– sal e pimenta do reino.

Modo de preparo:

Frite a lingüiça e a cebola, deixe dourar bem, adicione os legumes (pimentão, tomate, cenoura), corrija o sal e a pimenta, quando estiver cozido, adicione os ovos mexidos, a manteiga e o cuscuz inteiro. Misture bem e de uma forma bem suave, para não destruir tudo.

Dica:

– Não tem hora para comer isso, cabe no café, almoço e jantar!

– Pode ser comido frio.

– Se o pessoal daqui de casa fosse menos matuto mais tolerante com alimentação, eu teria adicionado uma banana em cubos perto do final, para dar um toque doce na farofa.